• Siga-nos nas redes sociais

Tomadas de Posição

Brexit

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

A Aliança Evangélica Mundial (WEA) apoia a Aliança Evangélica do Reino Unido (EAUK) no seu apelo à unidade e à reconciliação após a população do Reino Unido ter votado em referendo a saída da União Europeia. O Bispo Efraim Tendero, Secretário-Geral da WEA, referiu: “Por favor, juntem-se a nós em oração pelo povo do Reino Unido e da União Europeia após esta votação, e orem especialmente pelos governantes que terão agora de trabalhar através de um inédito e processo desafiador. Vamos seguir as palavras do Apóstolo Paulo quando escreveu na carta a Timóteo: “Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças, em favor de todas as pessoas;  pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade.. ”

A Aliança Evangélica do Reino Unido emitiu a seguinte declaração:

No rescaldo da votação do Reino Unido para deixar a União Europeia, Steve Clifford, diretor-geral da Aliança Evangélica, comentou: “Enquanto o Reino Unido votou para sair da UE, foi exposto profunda discordância em todas as nossas nações, cidades e regiões. O Reino Unido não está unido.” Dizendo ainda: “Entramos num momento de enorme incerteza, não só em como iremos renegociar o nosso relacionamento com nossos vizinhos europeus, mas também como o partido conservador que está actualmente no poder irá iniciar este processo de seleção do próximo primeiro-ministro. Este tem de ser um tempo para orar.”

“Quando olhamos para o futuro, a prioridade deve ser a construção de unidade e perspectiva da reconciliação. Tomámos uma decisão importante para os próximos anos, e muitas mais terão de ser tomadas ao longo dos próximos dias.”

“Como cristãos devemos seguir o Príncipe da Paz, e nós somos chamados a ser construtores de paz. Foi uma campanha com discórdias e agora é o momento de assumir as nossas paixões políticas e canalizá-los para a acção prática. A votação foi a demonstração da liberdade política, mas ao mesmo tempo expôs a fragilidade da nossa democracia. Assistimos a uma participação com níveis não vistos há décadas, mas também vimos campanha cínica e desonesta de forma a obter ganhos políticos. As nossas energias devem agora ser direccionadas para a construção de pontes dentro e entre comunidades de todo o Reino Unido.”

“Seguimos um redentor que reconcilia, e somos chamados para o trabalho da reconciliação. Nas nossas igrejas e nos nossos bairros, vivemos e trabalhamos ao lado de alguns que estarão a celebrar e outros estão decepcionados. A reconciliação requer honestidade e trabalho árduo, que exige respeito e abertura para com aqueles que discordamos. Não podemos ignorar as diferenças que esta votação tem exposto, mas não podemos deixar que as diferenças nos definam. As nossas mãos de amizade devem fazer o trabalho que a votação não pode.”

“Temos confiança em Deus que mantém as nações nas suas mãos, que é o criador de todas as coisas. Temos confiança que, embora os especialistas e comentadores pesquisadores possam estar discordantes, Deus não se intimidou.

“Hoje oramos pelo Reino Unido, oramos pela União Europeia, e oramos pela Europa. Também oro por David Cameron e pela sua família, assim como pelo partido conservador, uma vez que começou o processo de escolha do seu próximo líder e primeiro-ministro do país. Oremos por sabedoria para nossos líderes, que nestes dias navegam em águas incertas. Oremos por conforto para aqueles que estão decepcionados com o resultado, e oremos para que nos sejam renovadas as forças de forma a trabalhar juntos e para o bem de todos “.

http://www.eauk.org/current-affairs/media/press-releases/after-leave-vote-the-evangelical-alliance-calls-for-unity-and-reconciliation.cfm 

Para poder descarregar este texto em PDF clique aqui

Cartazes do Bloco de Esquerda

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

A Aliança Evangélica Portuguesa, federação de igrejas evangélicas em Portugal, lamenta a campanha projetada pelo BE com uma mensagem destinada a provocar e ofender os sentimentos religiosos de muitos cristãos. A liberdade de expressão deve ser exercida no quadro do respeito pelos sentimentos religiosos dos cidadãos.

Fazer uma comparação entre a questão da divindade e humanidade de Cristo, por um lado, e por outro a adoção de crianças por casais homossexuais é, obviamente, descabida e ofende a sensibilidade de cristãos portugueses, sejam eles evangélicos ou católicos.

Cremos na dupla natureza de Jesus Cristo: Espiritual, onde temos a sua perfeita Divindade, e Humana, onde cabe um pai de Amor, José, que o adoptou e amou como assim devem amar todos os pais e mães, sem discriminações.

Jesus Cristo é reconhecido, por nós e em nós, não por imagens, ícones ou outras espécies de adereços, mas sim por vidas regeneradas.

Uma vez que Jesus Cristo veio, e sofreu até à morte, para regenerar vidas, e demonstrar uma atitude de amor e perdão para com aqueles que O ofendem, não desejamos, como cristãos evangélicos, contra-atacar num espírito polémico, mas não podemos deixar de afirmar que acreditamos e defendemos os valores Bíblicos em relação à Família e que continuaremos a orar pelos que estão em posições de responsabilidade, seja no Governo, Parlamento, Tribunais ou Autarquias.

Esforçamo-nos por contribuir em todas as esferas de ação para as quais Deus nos chamou, para que a sociedade seja mais justa, dentro dos parâmetros éticos que as Sagradas Escrituras ensinam.

A Direção

Aliança Evangélica Portuguesa

Massacre em Orlando

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

WEA junta-se à Associação Nacional de Evangélicos dos EUA lamentando a perda das vítimas em Orlando

Nova York, NY – 15 de junho de 2016

“Em tempos de tragédia inesperada, dirigimos a nossa fé para consolo e cura”, disse o Pr. Leith Anderson, presidente da NAE. “Honramos a memória daqueles que morreram e optamos por não sermos insensíveis perante qualquer vida perdida – não importa o quão frequentes os tiroteios em massa se possam tornar”.

Além de orar pelas vítimas e suas famílias, o NAE encoraja os cristãos a orar pelas igrejas na área de Orlando – para serem ousadas, amando e testemunhando da compaixão e esperança de Deus para com aqueles que estão sofrendo.

O Bispo Efraim Tendero, Secretário-Geral da WEA, disse: “Unimos-nos a tantos crentes ao redor do mundo de luto pelas muitas mortes recentes e sem sentido de pessoas inocentes, particularmente em Orlando, Damasco,  França e nas Filipinas. Por favor, juntem-se a nós em oração pelas famílias e comunidades que perderam seus entes queridos, que as feridas desta tragédia possam ser saradas  no abraço do povo de Deus.”

17 de Junho 201626

Co-adopção por Casais Homossexuais

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

Parlamento aprovou no dia 17 de Maio, na generalidade, um projecto-lei do PS para que os homossexuais possam co-adotar os filhos adoptivos ou biológicos da pessoa com quem estão casados ou com quem vivem em união de facto…

Como é do conhecimento público, o Parlamento aprovou no dia 17 de Maio, na generalidade, um projecto-lei do PS para que os homossexuais possam co-adotar os filhos adoptivos ou biológicos da pessoa com quem estão casados ou com quem vivem em união de facto.

No nosso entender este é mais um sério atentado aos valores da família, fruto de uma visão laicista e secularista da sociedade, que visa objectivamente a destruição dos valores do casamento e da família. Consideramos que se trata de uma desconstrução dos valores morais, que estão subjacentes à construção da sociedade, sendo claramente um assunto fracturante. Exemplo disso é o resultado da votação no Parlamento, com 99 votos a favor, 94 contra e nove abstenções.

A Comissão de Assuntos Constitucionais decidiu por consenso criar um grupo de trabalho para discutir na especialidade o referido projecto-lei. Achamos que faz todo sentido que psicólogos, juristas, psiquiatras e outros especialistas sejam ouvidos, mas convém lembrar que esta questão não é uma questão apenas de natureza jurídica e psicológica, mas também de natureza ética e moral.

Como representante do maior grupo religioso não-católico em Portugal, a Aliança Evangélica Portuguesa decidiu solicitar à Comissão de Assuntos Parlamentares uma audiência, afim de ser ouvida relativamente aos princípios éticos e morais que o referido Projecto-Lei põe em causa.

A Direcção da Aliança Evangélica Portuguesa

O Cuidado com o Ambiente

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

21 Março – Dia Internacional das Florestas

22 Março – Dia Internacional da Biodiversidade // Dia Mundial da Água

Vivemos numa sociedade em que  o cuidado pelo ambiente, a preservação do que ainda existe é mais do que uma Moda. É uma urgência e uma necessidade assumida por todos. Os cristãos em geral, mas as Igrejas Evangélicas de Portugal em particular, assumem que têm um papel fundamental no reconhecimento do primeiro mandamento bíblico a ser dado à humanidade tendo cada um de nós de “lavrar e cuidar da terra” (Génesis 2:15) com implicações diretas nas nossas opções pois se não somos produtores, somos consumidores. Os erros destruíram tanto a relação de Deus com a humanidade como com o meio ambiente, tendo o mesmo ficado subjugado aos resultados da nossa escolha errada (Génesis. 3:17).

Em Dezembro de 2015, foi assinado um acordo sobre o clima (COP21), onde os governos dos países se comprometeram a não permitir que a temperatura média mundial aumentasse 2ºC, fazendo todos os esforços possíveis para não aumentar mais de 1,5ºC. Além disso todos os pontos do acordo serão avaliados a cada 5 anos, de forma a cumprir as metas propostas. Ainda foram colocadas diversas alíneas (embora voluntárias para cada país) na adopção de comportamentos, legislação e opções de cada estado.[1]

Jesus veio para reestabelecer a relação entre o homem e Deus e como consequência disso, para redimir toda a Criação e recuperá-la para si – Colossenses 1:16-20 para reestabelecer a relação entre o homem e Deus, e como consequência disso para redimir toda a Criação e recuperá-la para si, pois a paz conquistada pelo seu sacrifício foi para tudo o que foi criado e que continua a pertencer-Lhe. Se cremos e afirmamos que tudo o que existe foi criado por Deus, que é Deus que sustenta e que foi Deus que redimiu para si, então porque é que não nos juntamos a Deus em cooperar na proteção da Sua propriedade?

A Aliança Evangélica Mundial em conjunto com a rede do Movimento Lausanne – CUIDAR DA CRIAÇÃO, Tearfund, a Associação A ROCHA entre muitas outras organizações internacionais estiveram presentes na 21ª Conferência Sobre as Mudanças Climáticas (COP21) em Paris com o objetivo de trazer a voz dos evangélicos num assunto tão importante como o cuidado da criação.

A  Aliança Evangélica Portuguesa acredita que

  1. Cristo morreu de forma a reconciliar toda a criação do próprio Deus (Colossenses 1:20)
  2. Toda a criação pertence a Jesus (Colossenses 1:16, Salmos 24:1)
  3. Temos de cumprir o Grande Mandamento de amar a Deus e amar o que Deus ama (é difícil afirmar que amamos crianças com asma se somos nós que contribuímos para o aumento da poluição)
  4. A poluição, a destruição de habitats e espécies e das condições de vida e as alterações climáticas afetam primeiramente os mais desfavorecidos, e os cristãos são chamados para cuidar dos pobres e dos aflitos (Mateus 25:37-40)
  5. A Criação exibe a Glória de Deus. Se esta for destruída e desaparecer, e pior ainda se os cristãos forem complacentes com isso, como é que os outros poderão ver nela a Glória de Deus?

Direção da Aliança Evangélica Portuguesa em parceria com a Associação A ROCHA

18 de Março 2016

(1) o comunicado da Aliança Evangélica Mundial pode ser consultado aqui: http://www.worldea.org/news/4630/global-evangelical-leaders-welcome-paris-climate-agreement-as-historic-accomplishment

A Crise dos Refugiados

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

A Aliança Evangélica Portuguesa segue com grande apreensão o atual momento que a Europa está a viver, relativamente aos milhares de pessoas que estão a deixar os seus países de origem em busca de uma vida melhor o que, de acordo com alguns analistas, está a tornar-se numa das maiores crises humanitárias, desde a segunda guerra mundial.

 

Na origem desta deslocação maciça de pessoas está a guerra, a fome, a precariedade e a falta de dignidade humana, o que leva famílias inteiras a recorrer a todos os meios possíveis para fugirem da situação sub-humana em que vivem. As imagens que chegam até nós diariamente através dos meios de comunicação social são bastante elucidativas e reveladoras de um fluxo migratório em crescendo, para o qual a Europa, apesar das várias reuniões entre os seus líderes, ainda não tem uma reposta, correndo o risco da situação ficar totalmente fora de controle.

 

Independente das várias sensibilidades, perspetivas e interpretações que possam ser veiculadas acerca desta triste realidade, há um imperativo humanitário que não pode ser ignorado e ao qual é preciso dar resposta em tempo útil. A esse propósito, queremos enaltecer o trabalho que desde a primeira hora dezenas de organizações humanitárias têm feito com o objetivo de minimizar o sofrimento de milhares de pessoas.

 

A Aliança Evangélica Portuguesa, enquanto instituição cristã, além de promover a oração pelos refugiados, irá, em conjunto com as organizações que trabalham na área social, fazer uma avaliação no sentido de estabelecer ações que contribuam para ajudar as pessoas que venham até nós.

 

Pela Direção da Aliança Evangélica Portuguesa

Jorge Humberto, pastor

O Ataque Terrorista em Nice – França

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

O Conselho Nacional da Evangélicos da França organização similar à Aliança evangélica Portuguesa reagiu.

Enquanto Nice chora seus mortos e cuida dos feridos no rescaldo da desprezível ataque realizado no Passeio dos Ingleses, o Conselho Nacional dos Evangélicos de França (CNEF), estendeu sua mais profunda compaixão e solidariedade para com todas as vítimas e famílias enlutadas. O Conselho Nacional dos Evangélicos de França sugeriu qu,e no dia de domingo de 17 de Julho, todos os evangélicos e igrejas protestantes reservassem um tempo para orar pelos muitos feridos, famílias enlutadas, polícia e as autoridades do país. O CNEF, além disso, está certo que os numerosos Cristãos e Assembleias em Nice e ao longo da Riviera Francesa demonstraram solidariedade concreta. Em pouco mais de 18 meses os franceses sofreram 3 ataques terroristas de extrema violência, que os deixou em estado de choque. Dado que todos concordam em dizer que estes ataques são muito difíceis de prever e que nenhum nível de segurança jamais os poderia impedir totalmente, o Conselho Nacional dos Evangélicos de França insta todos os seus compatriotas a voltarem-se para Deus, o Deus de Jesus Cristo, o único que é capaz de mudar o coração humano e dar a verdadeira paz. Entretanto, não vamos ceder ao pânico e ódio, em vez disto vamos fortalecer os laços de solidariedade nacional nestes tempos conturbados. E não nos esqueçamos de que milhões de Cristãos ao redor do mundo estão atualmente a orar pela França. Por causa do evangelho, o CNEF vai sempre estar com todas as pessoas, independentemente da sua origem, nacionalidade ou religião, que querem defender a vida e liberdade, preciosos dons de uma humanidade que estão sendo pisados.

Nova Lei Russa Anti Terrorismo Pode Tornar o Evangelismo Ilegal

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

Líderes evangélicos Protestantes pedem aos crentes de todo o mundo para orarem e jejuarem por este assunto, e para enviarem petições ao Presidente Putin.

As entidades legisladoras na Rússia, a DUMA (Câmara Baixa da Assembleia Federal) e a Assembleia Federal, aprovaram recentemente medidas que poderão limitar severamente  a evangelização por parte dos Cristãos.

Estas medidas passaram quase unanimemente nas Assembleias DUMA e Federal, porém, o Presidente Vladimir Putin terá de aprová-las antes de se tornarem leis oficiais.

Para ler a noticia completa clique aqui.

Maternidade de Substituição: Sim ou Não?

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

Está agendada para Janeiro a discussão no Parlamento do projecto de lei do Bloco de Esquerda (BE) que pretende legalizar em Portugal a «maternidade de substituição».
Entretanto, foi divulgado o resultado de um inquérito a jovens universitários de Lisboa, Porto, Coimbra e Braga promovido entre 2008 e 2009 pelo Serviço de Bioética de Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e pela Associação Portuguesa de Bioética (APB).
http://p3.publico.pt/actualidade/sociedade/1779/universitarios-apoiam-barrigas-de-aluguer

Embora este inquérito se baseie numa amostra reduzida, é possível que venha a ser usado pelo BE em defesa das suas posições. Impõe-se por isso uma consulta mais abrangente, a bem da cidadania. O movimento “pro referendo Vida” defende e pede, igualmente, um pronunciamento e esclarecimento público por parte das instituições mais representativas da sociedade portuguesa: igrejas, ordens profissionais, partidos políticos, movimentos de cidadãos, blogosfera.

Aos cidadãos, pedimos que respondam em consciência à questão que se encontra na aba lateral do blogue: http://daconcepcaoamortenatural.blogspot.com/

« Considera legítimo o recurso à maternidade de substituição em caso de infertilidade? »

————————————–

+informação:

«Barrigas de aluguer» (excerto), Pedro Vaz Patto

Há que salientar, porém, que os malefícios da maternidade de substituição não decorrem apenas, nem principalmente, da sua eventual exploração lucrativa e que a experiência de outros países tem revelado a extrema dificuldade em impedir a comercialização encapotada por detrás da suposta não onerosidade dos contratos.
O filho nunca deixa de sentir o abandono da “mãe de substituição”. Cada vez se conhece melhor os intercâmbios entre a mãe gestante e o feto e a importância desse intercâmbio para o salutar desenvolvimento físico, psicológico e afectivo deste. Esse intercâmbio ajuda a construir a própria identidade da criança. Esta não poderá experimentar a segurança de reconhecer, depois do nascimento, o corpo onde habitou durante vários meses.
A “mãe de substituição” também sofre graves danos porque uma qualquer mulher não fica indiferente ao que lhe acontece quando está grávida. Este estado não é uma actividade como qualquer outra; transforma a vida da mulher física, psicologica e moralmente. Esta não pode deixar de viver a gravidez como sua e de sofrer com o abandono do filho. É, por isso, compreensível que, mais tarde, queira ter o direito de visitar o seu filho (e o que lhe responder, então, quando a lei lhe nega esse direito?).

«Respeito à vida humana nascente e dignidade da procriação» (excerto), Congregação para a doutrina da Fé

A MATERNIDADE « SUBSTITUTIVA » É MORALMENTE LÍCITA?

Não, pelas mesmas razões que levam a recusar a fecundação artificial heteróloga: com efeito, ela é contrária à unidade do matrimônio e à dignidade da procriação da pessoa humana.

A maternidade substitutiva representa uma falta objetiva contra as obrigações do amor materno, da fidelidade conjugal e da maternidade responsável; ofende a dignidade e o direito do filho a ser concebido, levado no seio, posto no mundo e educado pelos próprios pais; em prejuízo da família, instaura uma divisão entre os elementos físicos, psíquicos e morais que a constituem.

 

http://daconcepcaoamortenatural.blogspot.com/

 

PSD vai apresentar diploma que consagra maternidade de substituição, mas deputados têm liberdade de voto

Lisboa, 12 jan 2012 (Lusa) – O PSD vai apresentar um projeto de lei para alterar a lei da Procriação Medicamente Assistida (PMA), que consagra a maternidade de substituição como “instrumento último”, mas os deputados social-democratas terão liberdade de voto.

“O PSD vai dar entrada hoje mesmo de um projeto de lei que vai alterar a lei da PMA, consagrando a maternidade de substituição”, anunciou o deputado do PSD Miguel Santos, em declarações aos jornalistas no final da reunião da bancada parlamentar social-democrata, que se prolongou por mais de três horas e meia.

Quer em relação ao próprio projeto do grupo parlamentar do PSD, quer relativamente aos diplomas da oposição sobre a mesma matéria (BE e PS já apresentaram projetos), os deputados sociais-democratas terão liberdade de voto.

error: Conteúdo Protegido!