• Siga-nos nas redes sociais

Notícias

COMUNICADO STOP EUTANÁSIA

768 432 Aliança Evangélica Portuguesa

AUDIÇÃO STOP EUTANÁSIA NA COMISSÃO DOS ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS

O Movimento cívico Stop eutanásia esteve representado na tarde de ontem na audição do grupo de trabalho da Despenalização da Morte Medicamente Assistida, com Graça Varão, fundadora do Movimento, e Nelson de Brito, médico.

Embora nos encontremos já na etapa da especialidade, perante 5 projetos de lei aprovados na generalidade no passado dia 20 de fevereiro, o contexto pandémico que vivemos veio trazer uma nova forma de olhar para esta lei, que nos obriga a refletir, pois a Lei deve ser para o Homem e não o Homem para a Lei.

O que se pretende não é debater o tema em abstrato, pois isso seria voltarmos atrás (o que de algum modo não é possível, o tempo passou), mas antes refocar, recentrar, o debate e o sentido atual da lei da Eutanásia.

Os tempos mudaram, o mundo mudou. Impõem-se uma nova reflexão:

Como queremos avançar enquanto sociedade? Com a enorme incerteza que ainda estamos a viver, o que podemos esperar dos nossos governantes? Como confiar-lhes as nossas fragilidades e preocupações?

A nossa vulnerabilidade e impotência perante o desconhecido e ameaçador vírus mostrou-nos a grandeza do que somos todos capazes, principalmente quando olhamos e reconhecemos a nobreza da entrega dos médicos e profissionais de saúde. Como sociedade, estado e povo, o que podemos fazer para ajudarmos a tornar a nossa sociedade mais humanizada?

A pandemia trouxe-nos importantes aprendizagens às quais não podemos ficar indiferentes:

1) Veio reforçar o valor da Vida Humana – Hoje temos menos dúvidas de que todas as vidas têm a mesma dignidade. Todas merecem o mesmo tratamento, o mesmo acesso aos ventiladores, as mesmas possibilidades de cura e mesmo de serem salvas.

Vimos como a nossa sociedade está disposta a mobilizar-se para salvar vidas humanas e como as famílias suplicam aos médicos para que não deixem ninguém para trás, nem mesmo os mais idosos ou mais doentes.

2) Veio confrontar a nossa liberdade individual – Rapidamente ficámos confinados e não hesitámos em proteger os mais velhos, os mais vulneráveis, mesmo que para isso tivéssemos que respeitar o isolamento e o distanciamento. Não pudemos visitar quem mais queremos ou quem mais nos preocupa.

Afinal percebemos que a nossa liberdade individual não é totalmente absoluta e autónoma. Há valores humanos mais elevados.

3) Trouxe a consciência prática da interdependência do Ser Humano – Confrontando a nossa autonomia individual, vimos como precisamos de forma vital dos profissionais de saúde como salvadores dos “nossos”; percebemos como a saúde do outro, e no limite a sua própria vida, depende também do meu comportamento.

Esta consciência – a interdependência humana – dita a beleza da humanidade: perante o outro, quando começamos a “dar”, quando se estabelece uma cadeia de solidariedade, reconhecemos que todas as vidas têm a mesma dignidade.

4) Veio reanimar a Rede de Solidariedade na nossa sociedade – Porque todos somos seres humanos e todos queremos que os nossos não sofram! É da nossa natureza aliviar o sofrimento próprio e do outro.

Isto é o que nos leva a afirmar uma vez mais que é necessário o Estado reforçar e desenvolver as estruturas de cuidados paliativos e continuados, para que estes cuidados cheguem de facto a toda a população necessitada. Precisamos de mais acompanhamento em fim de vida e mais condições para os mais vulneráveis, mais idosos, mais doentes e com menos recursos financeiros ou até menos apoio familiar.

Toda a sociedade funcionou para responder a uma causa que é absolutamente central, a vida humana. E a vida humana não só fica posta em causa com a pandemia. Também para com as pessoas com “lesão definitiva ou doença incurável, em sofrimento duradouro e insuportável”, temos o dever de nos mobilizar, e o Estado e dever de reforçar e desenvolver as estruturas de cuidados paliativos e continuados, para que estes cuidados cheguem de facto a toda a população necessitada… porque todos são igualmente dignos e merecem.

Não podemos deixar de anotar como a legalização da eutanásia e a mensagem cultural que essa legalização acarreta contraria notoriamente estas aprendizagens e responsabilidades perante a vida humana e a sociedade. Pedimos aos senhores deputados que reconsiderem e que votem contra a lei da eutanásia.

 

Veja também aqui o programa “Caminhos” da AEP sobre “Eutanásia: porque não”

Comunicado AEP: Regras para celebrações religiosas

1156 672 Aliança Evangélica Portuguesa

Esta quarta-feira, dia 1 de julho, o país passou a estar em estado de alerta, apesar de como disse o primeiro-ministro, tal “não significa voltar à normalidade pré-covid”.

A exceção é a Área Metropolitana de Lisboa, onde a calamidade se mantém e onde as restrições são mais apertadas.

A questão que surge é; “No que diz respeito aos nossos cultos, será que alguma coisa muda?”

Não! Não muda nada nos concelhos da AML onde há mais restrições, nem no restante do território nacional.

Isto, apesar de não ser permitida a realização de celebrações e de outros eventos com mais de 20 pessoas (5 pessoas nos concelhos mais afetados), salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar. Há, no entanto, especificações já definidas pela Direção-Geral da Saúde para casos de cerimónias religiosas e eventos de natureza corporativa.

Assim os nossos cultos continuam a poder realizar-se dentro das regras definidas pela DGS. (Podem ler-se aqui as orientações da DGS para as celebrações religiosas de 29/05/20)

Quando, porém, terminar o culto, os crentes não podem ficar à porta a conversar uns com os outros, porque finda a cerimónia religiosa já se aplicam aos crentes as medidas que limitam o número de pessoas a grupos de 5 ou de 10 ou de 20, dependendo da situação particular de cada freguesia.

Damos graças a Deus por esta liberdade e pela proteção sobre nossas vidas e Igrejas, mas é tempo de continuar a orar:

Oremos para que o nosso Senhor possa continuar a proteger nossas igrejas, comunidades e ministros de culto que exercem funções de risco!

Oremos para que Deus possa ter misericórdia da nossa nação!

Oremos pelas nossas autoridades, profissionais de saúde e todos os que trabalham para que a nossa economia não pare!

Que o Senhor abençoe nossa nação!

A Direção da Aliança Evangélica Portuguesa

Dia Nacional da Liberdade Religiosa e do Diálogo Inter-Religioso

720 720 Aliança Evangélica Portuguesa

Dia 22 de Junho assinala-se pela primeira vez em Portugal o Dia Nacional  o Dia da Liberdade Religiosa e do Diálogo Inter-religioso. Para celebrar a data, vai ter lugar a conferência “Liberdade Religiosa e Diálogo Inter-religioso: Novos Desafios em Tempos de (mais) Incertezas”, que acontecerá on-line, a partir das 17 horas. Uma iniciativa, em parceria, do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e do respetivo Grupo de Trabalho do Diálogo Inter-Religioso (GT DIR) do qual a Aliança Evangélica Portuguesa também faz parte, bem como da Comissão da Liberdade Religiosa.

A sessão contará com as intervenções da Secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira, da Alta-Comissária para as Migrações, Sónia Pereira, do Vice-Presidente da Comissão da Liberdade Religiosa, Fernando Soares Loja e do Professor Catedrático da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, Jorge Bacelar Gouveia, que vai falar sobre “A Liberdade Religiosa e o Direito da Normalidade e da Crise”.

A iniciativa reunirá também representantes de várias confissões religiosas num debate sob o tema “Desafios Atuais às Liberdades de Consciência, Culto e Religião”. Como representante da AEP, estará o pastor Jorge Humberto, partilhando sobre “Como é que as igrejas evangélicas se re-inventaram durante o período de confinamento e agora no pós-confinamento”.

Recordamos que A Assembleia da República (AR) aprovou, por unanimidade, no dia 21 de junho de 2019, um projeto de resolução que instituiu 22 de junho como Dia Nacional da Liberdade Religiosa e do Diálogo Inter-religioso. O projeto resultou de uma proposta conjunta do ACM, GT DIR e da Comissão da Liberdade Religiosa, elaborada na sequência do Congresso “Cuidar do Outro”, promovido em 3 de outubro de 2018, na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa.

O Dia Nacional da Liberdade Religiosa e do Diálogo Inter-religioso é celebrado simbolicamente na data de publicação da Lei da Liberdade Religiosa (Lei n.º 16/2001, de 22 de junho), reconhecida como um dos diplomas mais inovadores a nível europeu.

O programa “Fé dos Homens ” da AEP sobre o Dia Nacional da Liberdade Religiosa e a nossa Conferência:

https://www.rtp.pt/play/p50/e479198/a-fe-dos-homens/839320

Consulte o programa aqui (pdf do programa)

link para a conferência será divulgado em breve em www.acm.gov.pt e www.facebook.com/ACMigracoes

DGS – Medidas de Prevenção – Locais de Culto

1389 742 Aliança Evangélica Portuguesa

Documento oficial da DGS para a realização das celebrações religiosas:

http://aliancaevangelica.pt/dgs_culto.pdf

Desejamos uma abençoada reabertura, e oramos todos uns pelos outros por proteção do nosso Senhor sobre nossas Igrejas.

Em Cristo,
Direção da Aliança Evangélica

Exercício do Direito de Resposta

1080 813 Aliança Evangélica Portuguesa

Na sequência da notícia veiculada pela Visão online, no dia 20 de maio de 2020, com o título “Líderes e pastores evangélicos fazem campanha pelo Chega”, e na capa da edição n.º 1420, de 21 de maio de 2020, “Chega, os segredos do pregador Ventura” e “os poderosos lóbis evangélicos”, vem a Aliança Evangélica Portuguesa, órgão representativo da Comunidade Evangélica em Portugal, exercer o seu direito de resposta, nos termos do n.º 4 do artigo 37.º da Constituição da República Portuguesa e dos artigos 24.º a 27.º da Lei n.º 2/99 (Lei de Imprensa), de 13 de janeiro, na sua atual redação, o que faz nos termos e com os fundamentos seguintes:

  1. Ao longo dos anos, a Visão habituou-nos a ver o mundo pelos olhos de jornalistas imbuídos de elevada deontologia profissional, alicerçando o rigor e a verdade em fontes credíveis e com o necessário recurso ao contraditório.
  2. Por essa razão, estranhamos que para fundamentar o título de capa da edição n.º 1420, a Visão não se tenha dignado ouvir a Aliança Evangélica Portuguesa, entidade centenária e órgão representativo da Comunidade Evangélica em Portugal, que agrega mais de 700 igrejas filiadas, com implementação histórica em todo o território nacional, representando um universo de crentes e outras pessoas no seu contexto de influência que ascende a 5% da população do país, sendo por isso, em termos numéricos, a segunda confissão religiosa em Portugal.
  3. Ao contrário do que é afirmado no título da notícia publicada na edição online, no dia 20 de maio de 2020, “Líderes e pastores evangélicos fazem campanha pelo Chega”, e no título de capa da edição n.º 1420 da revista Visão, de 21 de maio de 2020, “Os segredos do pregador Ventura” e “os poderosos lóbis evangélicos”, não existe correspondência factual entre os títulos em questão e a realidade.
  4. As diferentes igrejas evangélicas em Portugal são comunidades integradoras, a maioria delas radicadas há várias décadas, tendo sobrevivido à perseguição política e religiosa, desde os tempos da Inquisição, passando pela ditadura do Estado Novo.
  5. Atendendo à mensagem universal do Evangelho é normal que a Comunidade Evangélica integre uma heterogeneidade etária, social e multiétnica de membros, incluindo pessoas de etnia cigana e muitos cidadãos provenientes de países de língua oficial portuguesa e de outras nacionalidades.
  6. Em momento algum, e ao contrário do título e do conteúdo da notícia, os cultos evangélicos são usados para fins diferentes da proclamação dos valores exarados nas Escrituras, que incluem uma mensagem de esperança para todas as pessoas, englobando todos os estratos sociais, onde também se inserem os mais desfavorecidos e socialmente excluídos, relativamente aos quais temos desenvolvido um vasto programa de apoio social, muitas vezes em parceria com entidades públicas e a própria sociedade civil.
  7. As igrejas evangélicas não promovem partidos políticos nem angariam militantes para movimentos desta natureza. Não faz parte da praxis desta Comunidade dar sentido de voto aos seus membros, os quais, em democracia, exercem livremente todos os direitos consagrados na Constituição, incluindo o exercício político a título pessoal, mas nunca em nome ou em representação de uma igreja, e muito menos de uma Comunidade religiosa.
  8. O título de capa da edição n.º 1420, em forma de trocadilho “Os segredos do pregador Ventura” e “os poderosos lóbis evangélicos”, indicia a existência de um lóbi evangélico de apoio expresso a um partido político, o que não corresponde à realidade.
  9. Por outro lado, o conteúdo da notícia, menciona afirmações de supostos pastores e líderes evangélicos, sem existir a preocupação de verificar se se trata de igrejas ou de líderes que representem uma determinada confissão religiosa, sendo suscetível de induzir em erro os leitores.
  10. Misturar, de forma descontextualizada, outras realidades, e fazer corresponder apoiantes de Bolsonaro e de Trump, sem explicar o contexto político, social e religioso que existe nesses países, com o apoio corporativo (inexistente) de evangélicos a um partido político em Portugal, não nos parece que seja jornalismo de investigação porque as notícias não se baseiam em factos nem na realidade.

A Aliança Evangélica Portuguesa estará sempre disponível para responder a todas as questões que órgãos de comunicação social considerem pertinentes esclarecer, mas procurará sempre repor a verdade dos factos, agora e no futuro, como sempre o fez.

Coronavírus – Recomendações/Palavras do Presidente da AEP

1000 667 Aliança Evangélica Portuguesa

A Aliança Evangélica Portuguesa continua a acompanhar a evolução da  COVID-19.  O conhecimento atual acerca do desenvolvimento desta doença é ainda parcial.  A sua transmissão é, porém, muito rápida. Este é um tempo que exige medidas urgentes, tendo em vista o mitigar desta pandemia. Para além de todas as indicações sanitárias da Direção Geral de Saúde e das recomendações enviadas por nós anteriormente, recomendamos ao momento que:

1 – As igrejas e comunidades evangélicas não abram as suas portas para cultos e outras atividades durante, pelo menos, duas semanas. O uso da tecnologia poderá ser uma excelente ferramenta para, por exemplo, transmitir as celebrações, gravar mensagens/pregações e disponibilizar online, partilhar conteúdos devocionais, estudos bíblicos e outros por email, redes sociais e afins.

2 – Em ambiente familiar, levemos a efeito o culto doméstico, procurando ensino na Palavra de Deus. Haverá tempo para orar e testemunhar da Graça de Deus.

3 – Procuremos interagir através do telefone ou das redes sociais, mantendo o contacto com irmãos e amigos. Em especial, com os mais idosos e vulneráveis, dando ânimo uns aos outros e auxiliando em questões práticas, se possível e necessário.

Informamos que, no próximo domingo, dia 15, pelas 17:15, iremos transmitir o programa “Caminhos”, na RTP2 sobre “Coronavírus: Considerações e Desafios”. Este programa conta com a participação do Pr. Jorge Humberto (anterior presidente da Aliança Evangélica e representante da AEP no Grupo de Trabalho Inter-Religioso Religiões e Saúde) e do Dr. Filipe Silva (Médico e Presidente da Associação Cristã Evangélica de Profissionais de Saúde de Portugal).

Sem alarmismo, sejamos prudentes face à situação atual. Que as nossas orações possam chegar até ao nosso Deus, como cheiro suave, lembrando os nossos governantes, os profissionais de saúde, e todos aqueles diretamente afetados por esta doença.

Lembremo-nos que a nossa esperança está em Deus, dando graças pela nova vida que temos em Jesus!

Pela Direção da Aliança Evangélica Portuguesa

António Calaim

Coronavírus – Recomendações

1920 780 Aliança Evangélica Portuguesa

Durante este período, e até futuros desenvolvimentos da epidemia/pandemia do Coronavírus 19, a Aliança Evangélica propõe, para além das recomendações da Direção Geral de Saúde, que:

1 – À entrada de cada local de culto ou reunião haja dispensadores de solução alcoólica desinfetante para as mãos. Todos os participantes destas reuniões devem lavar/desinfetar as mãos antes de entrar na sala de culto e à saída.

2 – Os cumprimentos entre pessoas não sejam realizados através de beijinhos e apertos de mãos. Lembremos que as nossas mãos são um importante meio de transmissão, pelo que devemos evitar o toque.

3 – As crianças e os adultos sintomáticos (com febre, tosse, congestão nasal) permaneçam no domicílio.

4 – Os maiores de 65 anos e doentes imunodeprimidos (doentes com cancro, VIH/SIDA não controlados, doença reumatoide sob terapêutica imunossupressora, diabetes não controlados, doença cardiovascular) fiquem em casa durante este período e, no caso de ser possível, assistam através de transmissão on-line.

5 – Seja restringido o uso de toalhas e panos nas casas de banho e cozinhas, e se passe a utilizar papel.

6 – Haja um registo interno de participantes em cada culto, tendo em vista a eventual comunicação às autoridades de saúde, face à presença de um eventual portador do Coronavírus 19.

7 – Sejam utilizados cálices individuais e que o pão servido na Comunhão seja dado a cada um através do uso de luvas.

8 – O manuseamento das ofertas seja realizado com as mãos protegidas com luvas. Coloquemos a possibilidade de utilização de MBway e transferência eletrónica.

9 – Antes de uma possível visita, seja feito um telefonema aos irmãos que estão doentes.

Drª Bianca Ascenção, Infeciologista

Dr António Calaim, Médico Clínica Geral e Familiar, Presidente da Aliança Evangélica Portuguesa

Leia também algumas considerações e desafios para nós, enquanto cristãos, no seguinte link:
https://aliancaevangelica.pt/site/2020/03/07/coronavirus-consideracoes-e-desafios/

 

40 Dias de Jejum de Jesus

1920 1005 Aliança Evangélica Portuguesa
Até 9 de abril estão a decorrer os 40 Dias de  Jejum de Jesus. Uma oportunidade para estarmos em sintonia com os cristãos em todos o mundo, ORANDO!!
Mais informações em:  https://www.40diasdejejum.com/

Junte-se a nós em 2020, de 1 de Março a 9 de Abril (40 dias)

MOTIVAÇÕES

Existe hoje um Movimento Global que estimula o Jejum, a Oração e o mergulho nas Escrituras. Um dos focos deste Movimento Global de consagração do povo de Deus é a busca de um avivamento. 

Uma das vozes que tem feito ecoar esta chamada é a de Lou Engle, intercessor por reavivamento e co-fundador visionário do The Call, um movimento de oração e jejum responsável por reunir centenas de milhares em todo o mundo, inspirado no exemplo do evangelista Bill Bright, um dos grandes catalisadores do retorno à prática moderna do jejum e oração na Igreja.

Essa visão não é dirigida por um homem, ou por um ministério. Centenas de líderes ao redor do mundo estão e irão soprar o propósito desta consagração, cheios de fé, para suas próprias nações, cidades e igrejas, de acordo com a sensibilidade de cada líder.

“A sua nação tem um dom redentor de abençoar todas as outras nações. A unidade é a porta para a manifestação deste dom.” (Lou Engle)

Cada um de nós deve dar um passo adiante.

Faz sentido o mundo inteiro orar por Portugal,

e nós não sermos dos mais empenhados?

Em 2 Reis 13:14-19, o Rei Jeoás (na tradução de Almeida) foi visitar Eliseu, que estava doente da doença que haveria de morrer. Jeoás não tinha o hábito de procurar a voz profética, mas quando apertado, gostava de a conhecer.

Quando conduzido por Eliseu com instruções detalhadas ele sabia corresponder (vs. 15- 17).

Mas quando entregue a si mesmo sem uma direção tão clara, ele não sabia posicionar-se e só disparou 3 flechas, ferindo o chão três vezes. Se ele soubesse que estava a decidir o futuro dele, teria disparado mais vezes, as cinco ou seis que o profeta queria.         

INTENÇÕES

Os que já sabem jejuar devem levar o seu jejum a um novo nível. Os que ainda não sabem devem experimentar para começarem a aprender.

Os que sabem orar devem elevar a sua intercessão até onde ela ainda não foi, e os que não sabem orar devem ser convidados a experiências enriquecedoras como os Trios de Oração, onde aprenderão a orar para além das suas necessidades pessoais, orações com alcance missionário.

Se Deus respondesse a todas as orações que fizemos esta semana o que mudaria? Talvez, só a minha vida, porque não tenho o hábito de orar sempre pela unidade do povo de Deus, por missões, por discipulado, por alcance de vidas.

Os que sabem e têm o hábito de ler a Bíblia devem mergulhar na Palavra com uma nova intensidade, e os que ainda não fazem disso o seu estilo de vida devem experimentar dar esses mergulhos para descobrirem o Deus que fala pela Sua Palavra. 

AÇÕES

Para tal, existirão diferentes modalidades de jejum adequadas à maturidade e à saúde de cada um. O mesmo acontecerá relativamente à Oração e ao mergulho na Palavra.   

No jejum: 1) alguns farão jejum total, mas limitado a períodos de 3 dias; 2) outros irão aventurar-se a um jejum com água apenas; 3) outros, ainda, atravessarão essa experiência com sumos de frutas e vegetais, para irem repondo as vitaminas e os sais minerais; 4) outros, farão o jejum de Daniel, com vegetais e frutas; 5) enquanto outros suprimirão uma refeição principal ou reduzirão as suas refeições diárias a apenas uma; 6) os que não podem ou não conseguem de todo fazer jejum, suprimirão algum alimento de que gostam muito como uma oferta de consagração a Deus, cada uma na sua dimensão; 7) podendo ser incluídos jejuns de televisão, séries, redes sociais, para criar momentos de encontro com nosso Deus, subtraindo as distrações.

Na Oração, desafiaremos as pessoas a envolverem-se em Trios, a orarem 10 a 15 minutos ao se levantarem e noutros momentos ao longo do dia, além de participarem de Vigílias e de Semanas de Oração que as suas igrejas locais promovam.   

Nos Trios de Oração, pedimos a  que cada pessoa que deseja envolver-se: 1) arranje dois companheiros de oração, 2) assuma a responsabilidade de conversar com frequência com Deus a respeito do mundo em que vive, 3) reconheça a relevância de orar com outros cristãos, 4) aprenda a ajudar os outros cristãos e a si mesmo a ter uma vida de oração eficaz.

Os Tempos de Oração podem ser de 30 minutos uma vez por semana e focarão: 1) o crescimento espiritual de cada membro do grupo e das respectivas igrejas, 2) a salvação dos amigos e familiares e 3) o trabalho mundial de Deus, escolhendo cada um deles um país, apoiando em oração ministérios e pessoas especificas desse país.

Na Leitura Bíblica, recorrendo a Apps como a YouVersion, proporemos desafios como: a leitura do Novo Testamento em 40 dias, para os leitores mais avançados (7 capítulos por dia). Ou desafios menores, para os menos experimentados como: ler os Evangelhos em 40 dias (3 capítulos por dia). Ou apenas o Evangelho de Marcos e o Livro de Atos (1 capítulo por dia). Ou apenas o Evangelho de Marcos ( meio capítulo por dia), para os completamente inexperientes.

Para fortalecer a nossa visão bíblica e melhor compreendermos o que lemos, podemos visualizar os vídeos produzidos pelo The Bible Project do Novo Testamento e do Velho Testamento, que já dispõem de legendas em português e são um forte estímulo para nos apaixonarmos pelo texto, mesmo sem contacto prévio com a Bíblia.

A força desta estratégia deve ser confiada às crianças, aos adolescentes e aos jovens, cabendo aos adultos criar o suporte para o que eles vão desenvolver, orando por eles, mentoreandoos, encorajando-os, capacitando-os, investindo neles, afirmando-os, protegendo-os e nutrindo-os.    

Deus chama-nos para tomarmos uma posição e é importante reconhecermos o tempo da nossa visitação.

Este é o tipo de iniciativa em que podemos ter e expressar a nossa unidade no Corpo de Cristo!

Fórum Evangélico 2020

1080 1351 Aliança Evangélica Portuguesa

A Aliança Evangélica Portuguesa vai realizar nos dias 17 e 18 de Abril o Fórum Evangélico 2020, no Auditório da Faculdade de Medicina Dentária de Lisboa, com o objetivo de mobilizar as igrejas a estarem juntas nestes dias, conectando ministérios / organizações, proporcionar comunhão entre famílias e celebrarmos juntos a Deus. Este ano teremos com tema principal “A Oração” com a presença de Pete Creig (do Ministério 24-7prayer.com).

O Fórum Evangélico 2020 abre portas na sexta-feira, dia 17, a partir das 19.00h com a EXPO Evangélica, onde esperamos dezenas de organizações que vão partilhar o que está a ser feito ao nível dos ministérios infantis, juvenis, desportivos, mulheres, ação social, oração, missões, entre outras vertentes.

Ainda na sexta-feira pelas 20.30h, teremos o Concerto de Clássicos “Cantai ao Senhor” de David Martins, com produção musical de Rúben Alves. A primeira parte será de afro-gospel de Miguel Vieira e a sua banda. Para saber mais sobre este concerto clique aqui

Bilhetes para o concerto disponíveis em: http://bit.do/concertoclassicos

No sábado a manhã começa com duas plenárias sobre “Oração” e ainda sobre “Igreja da Diáspora em Portugal: Desafios e Oportunidade”.

Da parte da tarde teremos Workshops sobre Comunicação e Redes Sociais”, “Educação e Ideologia de Género”, “Educação Moral e Religiosa Evangélica: Desafios e oportunidade de se ser professor”, “Igreja da Diáspora: Inteligência Cultural”, “Igreja: Questões jurídicas e legais”, “Oração” e “Ser Igreja na Área Social”. Cada participante poderá escolher dois destes workshops antecipadamente, pois a participação está condicionada à lotação da sala. Para saber mais informações e como se inscrever clique aqui

Terminaremos o Fórum Evangélico 2020 juntos com uma grande celebração a Deus.

As entradas na EXPO Evangélica, nas Plenárias e na Celebração Final são gratuitas.

Conheça aqui o programa.

error: Conteúdo Protegido!