• Siga-nos nas redes sociais

Mulheres

A BÊNÇÃO DE LER UM LIVRO

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

Acabei agora de ler o que considero o melhor livro que já li. De facto, foi como água fresca para a minha alma, dando-me o que, por certo, eu precisava de aprender. Trata-se do livro autobiográfico de Billy Graham, intitulado “Just as I am” (“Tal como sou”).

Um pedaço de história

Levaria muitas páginas para tentar descrever tudo o que dele recebi. Como barro nas mãos do Oleiro, que precisa de água para continuar o seu trabalho, este livro foi a água necessária para que eu ainda continue a ser moldada, pois não sou a mesma que era antes de o ter lido.

Este livro oferece uma leitura enriquecedora, quer para quem aceite quer para quem rejeite o conceito de religião, pois a sua riqueza literária vai além de qualquer conceito. Trata-se de um pedaço enorme da história mundial e não um enredo em que se procura chegar ao desfecho na última página.

Os diários de Ruth e Billy Graham, escritos com precisão e detalhe, levam-nos pelo mundo, numa missão inimaginável que Deus entregou ao menino que ordenhava vacas, orava num troço de estrada, ainda muito jovem e, deitado no chão, olhava a imensidão do firmamento estrelado quando Deus o chamou e continuou a confirmar a chamada até aos seus 99 anos. Ao longo do livro, vê-se a sua própria admiração por ver de onde Deus o trouxe e por onde o levou, não deixando que nada o fizesse perder a visão, mantendo-se na posição de humildade requerida.

Crescimento do ministério

Para sua própria surpresa, o ministério que Deus lhe entregou cresceu em muitas direcções e oportunidades mas nunca alterou a sua postura de humildade. Percebe-se a sua contínua dependência de Deus, mesmo quando crescia à sua volta a influência e admiração do seu trabalho vinda de homens que se destacavam financeiramente.

É um relato abrangente e minucioso de muitos contactos a alto nível, desde o Presidente Eisenhower até ao Presidente George Bush (pai), com a parte positiva e diferente em que foi dada ao mundo a oportunidade invulgar de ouvir o evangelho, com os resultados de mudança na vida de multidões, que atingiu muitos líderes também.

Três homens muito conhecidos na história quiseram falar com Billy Graham privadamente: Nehru, Eisenhower e Churchill. Não foi sem expectativa que ele recebeu esses convites. Qual seria o assunto ou os assuntos? Nehru, que o recebeu em silêncio, ficou a ouvir impressão de Billy Graham sobre a Índia até chegar a palavras que saciaram a sua fome espiritual. Eisenhower estava doente e queria fazer paz com Nixon, o seu vice-presidente, com quem tinha diferenças de opinião a resolver. Brevemente, o seu neto e a filha de Nixon iriam casar, e o General queria a paz entre eles e pediu a ajuda de Billy Graham nesse sentido. Mais tarde, já no hospital, mais uma vez foi pedida ajuda ao evangelista que lhe falou sobre a esperança na eternidade. O convite de Churchill chegou com muita insistência. Queria falar com Billy, enquanto decorria a campanha evangelística em Londres, que lhe falou da salvação e do plano de Deus, tendo orado por Churchill, a pedido dele. Três homens que a história nos revela como vibrantes e fortes mas cuja necessidade espiritual era igual a todos os mortais, quando a eternidade estava à vista.

A sua esposa

Não imaginam como me senti feliz lendo o que Billy Graham escreveu sobre a esposa Ruth. Descrevendo o dia em que receberam das mãos do Presidente Clinton a Congressional Gold Medal, a maior honra do Congresso dos EUA dada a um cidadão, neste caso a ele e à esposa, com a efigie de ambos, disse ele: “Senti-me totalmente não merecedor desta honra, mas estou felicíssimo que Ruth esteja incluída. Sem a sua participação e o seu encorajamento através dos anos, o meu trabalho teria seria impossível de realizar.”

Durante esses muitos anos, ela criou os cinco filhos, viajou com ele e esteve ao seu lado, em momentos em que ele precisou da sua companhia em oração e o seu conselho que ele sempre considerou e apreciou, sendo ponto alto na ajuda que precisou e recebeu dela.

Ramo de flores

Lembrei-me então que, três dias antes da sua partida para a eternidade, o meu marido, na altura já pouco comunicativo, olhou para mim e disse: “Carmina, tenho estado aqui a pensar que tu nunca te queixaste”. Para mim, foi como se de repente ele viesse com um grande ramo de flores, como gratidão por muita coisa, ao longo dos muitos anos em que servimos a Deus juntos e que eu sei ele estava englobando naquela frase.

Será muita ousadia da minha parte, mas atrevo-me aqui e hoje a pedir aos maridos que ainda têm as suas esposas, a percorrer no coração o caminho andado e falar o que iria ficar por dizer, mas que elas muito apreciariam ouvir enquanto ainda lhes pode ser dito. Na vida que está a correr depressa demais, há uma dívida por pagar que umas palavras, um abraço e um beijo têm o dom não só de pagar mas também o juro do que já devia ter sido dito. Agora é o tempo, “dá-lhe as flores enquanto vive”.

O que teria feito diferente

Na análise que faz da sua vida, depois das muitas décadas que o livro atravessa, Billy Graham considera o muito que teria feito diferente. Quantos de nós pensamos o mesmo!

Sobre o seu casamento, refere que ele e a esposa tentaram fazer o melhor. Lamentou os dias em que esteve longe dos filhos, mas que tentou compensar o melhor que pôde, perante a impossibilidade de não poder reaver esses dias. É verdade, sempre podemos compensar, mesmo sem haver a possibilidade de reaver o que se perdeu. O que definitivamente lamentou foi o seu envolvimento na opinião política para que as circunstâncias o empurraram. “Isso diluiu em algum ponto a minha chamada, que eu desejaria ter sido apenas “pregar o evangelho”.

Desejo que este livro seja, para quem ler, a bênção que foi para mim. Um exemplo de vida, verdadeiro e inspirador. A minha vida estaria incompleta sem esta leitura.

“Isto se escreverá para a geração futura; e o povo que se criar louvará ao Senhor.” (Salmos 102:18)

Carmina Coias

Missionária aposentada

Uma fé sólida em tempos líquidos

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

Não me considero uma perita em sociologia, mas senti-me intrigada por aquilo que uma vez o revolucionário Bauman disse: “Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar.” Acho que este homem brilhante fez o obséquio de tirar as escamas dos nossos olhos modernos para olharmos frente a frente a uma verdade que já foi há muito tempo afirmada, e que por muito que neguemos, está a tornar-se numa assustadora realidade. Gosto de relacionar aquilo que o sociólogo diz com as palavras já proferidas de Jesus em Mateus 24:12: “(…) o amor de muitos se esfriará…”

Uma profecia do Messias que fala da fluidez dos nossos tempos – termo este baumaniano – isto é, da superficialidade deste século e da frieza humana. Bem gostaríamos que esta realidade que Jesus apresenta fosse utópica ou um pesadelo que acabaria por passar com o tempo. No entanto, não podemos mudar as Suas palavras, muito menos fechar o entendimento para estas verdades.

Cristo deve ser a nossa bitola no dever natural e intrínseco para estarmos mais conscientes daquilo que aflige e influencia a sociedade pós-moderna. Sabemos que esta caracteriza-se por ser ironicamente niilista, sedenta de felicidade e de poder, procurando formas de satisfazer os seus desejos mais egocêntricos, na maioria das vezes por intermédio da desgraça dos outros, apenas com o objetivo concreto de “sentir-se completa”.

Neste sentido, Cristo e Bauman pensam o mesmo: uma sociedade individualista que vive obcecada com a sua própria satisfação revela o quão vazia ela é. No fundo, quer queiramos ou não, estas características também poderão refletir-se nas igrejas. Como tal, é relevante procurarmos responder a algumas questões que se levantam:

Eu procuro refugiar-me e basear a minha fé nas minhas emoções para me sentir bem comigo mesmo? O que me motiva a estar mais perto de Deus? Será que a manifestação do Espírito Santo tem sido deturpada ao longo destes anos nas nossas Igrejas por influência dos desejos mais obscuros da sociedade pós-moderna?

Nos últimos dias estas indagações suscitaram-me uma outra: O desejo de Sentir propõe-nos uma ação de busca, ou mascara a vontade narcisista de receber? Sentir a presença de Deus não compromete a Sua existência e poder absolutos. Isto aplica-se, sobretudo, na forma como nos relacionamos com Ele. Não sou a favor de uma teologia apenas epistemológica e racional, mas defendo que a Igreja precisa urgentemente entender que o desejo narcísico de possuir e experimentar não é uma ação de busca genuína das bênçãos celestiais ou de procura de intimidade com o Divino. Procuramos e buscamos a Deus na expetativa de O conhecer e sermos moldados por Ele? Ou O buscamos na expetativa de receber algo em troca, como por exemplo: satisfação pessoal, realização financeira ou até mesmo sentir aquele pico de emoções que vai servir de penso rápido na minha ferida naquele breve momento?

Por vezes esperamos que Deus nos faça sentir diferentes, quase como se fossemos super-homens, a quem Deus concede super-poderes. Esperamos que o Espírito Santo nos faça sentir sobrenaturais e imparáveis. Começamos a questionar a nossa fé quando paramos de “sentir” a polaridade de emoções, essa adrenalina espiritual.Questionamos até a presença absoluta e inegável de Deus quando já não nos sentimos imparáveis. Precisamos desconstruir e aprender um conceito de fé mais bíblico e cristocêntrico.

A fé não se baseia ou resume naquilo que alguns afirmam como uma crença para além daquilo que é o nosso domínio visível. Ela é a forte convicção na evidência, e a convicção não está dependente do nosso estado emocional ou das nossas crises existenciais. Vivemos na era do vazio, conforme Gilles Lipovetsky a batizou. Fala-se em indiferença pura como consequência de uma sociedade extremamente carente de amor, propósito e significado. Nas Igrejas precisamos de ter cuidado com a maneira como vivemos e testemunhamos o Evangelho. Numa era de vazio precisamos de crentes cheios (do Espírito de Deus) que transbordam saciando o vazio dos outros! Crentes autênticos! Crentes que estão cientes do fundamento da sua fé além das circunstâncias. Crentes completos porque Cristo é suficiente, Jesus basta!

Miriam Rodrigues Couveiro

Estudante no Seminário Teológico Baptista, escritora e locutora no Ministério de comunicação Mulheres de Esperança.

Como estão as tuas finanças?

957 530 Aliança Evangélica Portuguesa

Na agitação do nosso dia, vivemos tão apressados com os nossos trabalhos e afazeres que não nos permitimos refletir sobre o que estamos a fazer e o seu propósito. Desde pequenos percebemos que neste mundo precisamos de trabalhar, ganhar dinheiro e adquirir bens. Entramos em modo automático e frequentemente acreditamos que Deus não se interessa pelas coisas terrenas. O que nos escapa é que as coisas terrenas são na verdade um teste para as coisas celestiais.

Sim, estamos a ser testados! De facto, a forma como gerimos as nossas finanças revela o que vai no nosso coração e mostra aquilo em que verdadeiramente acreditamos. Por detrás de problemas financeiros encontramos fragilidades no nosso carácter que precisam ser trabalhadas. A impaciência leva ao consumo compulsivo, o egoísmo à falta de generosidade, o amor ao dinheiro ao descontentamento, a ganância à desonestidade e poderíamos continuar. Aquilo que mais amamos irá receber não só a nossa atenção como também o nosso dinheiro. É possível cada vez mais observar, que muitas famílias são destruídas por causa das finanças, contudo, a culpa não é do dinheiro, ele apenas reflete o nosso coração.

Mas Deus não só nos testa, como Ele na sua infinita bondade nos dá as respostas necessárias. O tema dinheiro e bens é amplamente falado na Bíblia! Na verdade, encontramos mais sobre este assunto do que outros que consideramos à partida mais espirituais como a fé e a oração. Se o próprio Jesus ensinou tanto sobre este tema é porque precisamos olhar para esta área na nossa vida como algo importante e espiritual. Na Bíblia encontramos muitos princípios financeiros que trazem prosperidade e avisos de atitudes que levam à pobreza. Esses valores impactantes são intemporais, universais e podem ser aplicados a pessoas, famílias, empresas e países.

Um dos bons exemplos que encontramos na Bíblia é o da mulher virtuosa. Uma referência muito conhecida que mostra um exemplo de boa gestão. Não sabemos o seu passado, não sabemos o seu nome, mas sabemos que tinha muitas virtudes, que nada lhe faltava e que era uma bênção para a sua família. Ela é apresentada como uma administradora sábia que trabalha de boa vontade em prol da sua família, cuida dos seus negócios, planeia o futuro, investe para multiplicar os seus bens, é generosa, faz o bem ao próximo e é confiável (Prov. 31:10-20). Seremos todos como ela?

Aplicar os princípios financeiros de Deus na nossa vida é uma caminhada turbulenta que exige disciplina! O dinheiro diariamente compete com Deus pelo domínio da nossa vida. Somos bombardeados pelo descontentamento, pela ideia que precisamos sempre de mais e de melhor. No entanto, Deus nos chama a sermos livres e essa liberdade também passa pela nossa vida financeira. O segredo está em entregarmos todas as coisas a Deus, sermos fiéis aos seus princípios e experimentarmos uma vida de contentamento. O nosso coração deve estar nas riquezas celestiais e a razão deve lidar com as terrenas.

Se gostarias de aprender mais sobre finanças bíblicas, podes seguir a página de facebook GPS – Gerir, Poupar, Somar.

Ana Sofia Bessa

Formada em Economia

Será tempo de avançar?

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

Já lhe aconteceu, alguma vez, fazer uma pergunta sem esperar ou desejar uma resposta? Sim, pode parecer estranho. Habitualmente, se perguntamos é porque precisamos de uma resposta. Contudo, nem sempre assim é. E, de facto, ao folhear a Bíblia, encontro duas perguntas feitas em momentos diferentes a pessoas diferentes e que têm essa particularidade curiosa: não foram feitas para ser respondidas, mas para despertar uma reflexão imediata e indicar caminho. Servem para chamar a atenção para a urgência do momento e a necessidade de agir rapidamente.

Duas perguntas

A primeira acontece em casa de Jacó, já numa fase avançada da sua vida. O ambiente está tenso pois existe uma necessidade grande por suprir. Há uma falta extrema de alimento, fome. E a pergunta salta dos lábios de Jacó para os seus filhos: “Por que estais olhando uns para os outros?” (Génesis 42:1) Sem esperar que respondam, ele prossegue: “Eis que tenho ouvido que há mantimentos no Egito; descei para lá, e comprai-nos dali, para que vivamos e não morramos.” (Génesis 42:2)

A segunda acontece ao ar livre, junto ao Mar Vermelho, num momento dramático em que povo hebreu precisa de o atravessar e ser livre, e o exército egípcio vem a caminho para impedir. Deus pergunta a Moisés: “Porque clamas a Mim?” E acrescenta, de imediato: “Dize aos filhos de Israel que marchem.” (Êxodo 14:15).

Em ambas as circunstâncias há que agir rapidamente. Não é tempo de “olhar uns para os outros” nem sequer de clamar a Deus. É altura de avançar!

Dar o salto

Já todas experienciámos momentos desses na nossa vida, em que foi premente decidir e passar à acção. Nessa altura, sentimos coragem e força para o fazer? Ou ficámos tolhidas pela incerteza e mesmo por algum medo e não ousámos correr?

A propósito disto, vem-me à mente uma curiosidade acerca da impala. É um animal elegante que vive em manadas nas savanas africanas. Li que consegue correr à velocidade de 90 km/h e dar saltos de cerca de 3 metros de altura, possuidor de uma boa audição e de reflexos rápidos. Contudo, apesar dessa extrema agilidade, num Jardim Zoológico a impala pode ficar num espaço rodeado de um muro de apenas 1 metro e meio de altura e não sairá de lá. Embora tenha em si toda a capacidade para o saltar, e fugir rapidamente, não o fará. Porquê? Porque só salta em circunstâncias em que consiga ver onde é que irá ter.

Por vezes, no nosso percurso de vida, surgem momentos em que é premente agir, dar o salto! Essa é a maior urgência de todas. Mas não devemos ainda orar? Se já orámos e entendemos a direcção por onde Deus nos quer levar, por onde precisamos de ir, avançar pode ser agora a nossa primeira necessidade. Contudo, todos temos um pouco de “impala” em nós. Onde irei ter, com este salto? Onde é que os meus pés irão tocar? O que irá acontecer? A prudência assim nos aconselha. Se devemos ponderar bem sobre a decisão a tomar, avaliar as circunstâncias e os benefícios de o fazer ou não, por outro lado devemos também contar com a ajuda de Deus em cada passo que dermos. Ele mesmo nos promete: “Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos.” Salmos 32:8

Os filhos de Jacó foram ao Egito e aí não só encontraram alimento mas tiveram uma emotiva reconciliação familiar e iniciaram uma nova etapa na vida.

O povo de Israel atravessou o Mar Vermelho e ficou definitivamente livre do jugo egípcio.

Mãos que nos pegam

Numa noite difícil, Ló sabe que é altura de tomar uma decisão mas parece não conseguir. Deus enviou mensageiros a sua casa que o avisaram que deve abandonar rapidamente a cidade onde vive. Sodoma irá ser destruída no dia seguinte e, nessa mesma noite, ele deve deixar a sua casa, juntamente com a esposa e as suas duas filhas. “E ao amanhecer os anjos apertaram com Ló, dizendo: Levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que aqui estão, para que não pereças na injustiça desta cidade. Ele, porém, demorava-se…” (Génesis 19:15,16)

Na verdade, Ló nunca chega a assumir a decisão. Contudo, a sua vida é salva porque “aqueles homens lhe pegaram pela mão, e pela mão de sua mulher e de suas duas filhas, sendo-lhe o Senhor misericordioso, e tiraram-no, e puseram-no fora da cidade.” (Génesis 19:16) Sim, foi preciso pegar-lhes nas mãos e levá-los dali.

Já todas vivemos tempo suficiente para entender que no nosso percurso devida deparamo-nos, aqui e ali, com encruzilhadas e decisões a tomar. Sim, são momentos de “dar o salto”, assumir um novo caminho, mudar de direcção talvez. A visão sobre o futuro é limitada e a perguntas borbulham em nós: Onde irei chegar? Como irá ser? Estarei a fazer a melhor escolha?

Deus sabe que assim é. Ele conhece bem a nossa fragilidade e os nossos pensamentos, que não são tão elevados quanto os Seus. Assim, fiquemos atentas à direcção de Deus sobre a nossa vida, sobremodo importante nestas alturas. Ele fala e faz-nos sentir a Sua vontade. Se Ele confirmar, irá ser connosco e pegar nas nossas mãos se necessário! Busquemos a Deus de coração e guardemos connosco as palavras seguras do salmista: “Porque contigo entrei pelo meio de um esquadrão e com o meu Deus saltei uma muralha.” (Salmo 18:29)

Bertina Coias Tomé

Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e em Psicologia Comunitária.

Padrões a não repetir

960 645 Aliança Evangélica Portuguesa

É interessante pensar que a Bíblia, sendo muito antiga, ainda se encontra tão atual para orientar as nossas vidas nos dias de hoje.

Foi numa aula sobre Crianças e Jovens em Risco que se constatou o facto de que todos os seres humanos estabelecem uma tendência para repetir padrões, especialmente os familiares. Este ciclo ocorre, na maior parte das vezes, num âmbito inconsciente. Por exemplo, se uma jovem foi mãe aos 16 anos, a tendência futura é de que o seu filho ou a sua filha, não de forma consciente ou intencional, acabe por trilhar o mesmo caminho com sensivelmente a mesma idade. Se um casal se divorcia, torna-se bastante provável que os filhos desta relação se encontrem mais propensos para o fazer quando tiverem os seus relacionamentos.

Pode parecer um pouco determinista, mas a realidade é esta. Não é certo que todos sigam exatamente o mesmo percurso que observaram nas suas figuras parentais, mas a probabilidade existe e não é assim tão pouca, de acordo com estudos realizados.

Se olharmos para a Bíblia e para as famílias ali presentes também se torna possível observar este padrão de repetição. Por exemplo, a família patriarcal de Abraão repetiu, neste caso, comportamentos indesejados aos olhos de Deus. Abraão e Isaque, em circunstâncias semelhantes, mentiram a reis poderosos relativamente ao grau de parentesco com as suas esposas.

Abraão – “Havia fome naquela terra; desceu, pois, Abrão ao Egipto, para aí ficar, porquanto era grande a fome na terra. Quando se aproximava do Egipto, quase ao entrar, disse a Sarai, sua mulher: Ora, bem sei que és mulher de formosa aparência; os egípcios quando te virem, vão dizer: É a mulher dele e me matarão, deixando-te com vida. Dize, pois, que és minha irmã (…)” (Génesis 12:10-13a, ARA).

Isaque – “Sobrevindo a fome à terra, além da primeira havida nos dias de Abraão, foi Isaque a Gerar, avistar-se com Abimeleque, rei dos filisteus” (Génesis 26:1, ARA) “Perguntando-lhe os homens daquele lugar a respeito da sua mulher, disse: É minha irmã (…)” (Génesis 26:7a, ARA).

O filho repetiu o exemplo do pai, não porque Abraão o instruísse especificamente a isso, mas porque a mentira, sendo um padrão adoptado naquela família, acabou por ser a resposta de Isaque numa ocasião semelhante à que o seu pai viveu. Jacó, filho de Isaque, neto de Abraão, também adotou este padrão de mentira. Assumiu o direito de progenitura ao seu irmão e fez-se passar por ele diante do seu pai, enganando-o. Aliás, a própria mãe o ajudou e o incentivou a tal. Por outras palavras, este agregado encontrava-se bastante familiarizado com a prática da mentira e engano e em nenhuma destas três gerações o ciclo foi quebrado.

Em cursos de noivado (aulas preparatórias para o casamento) este tema tende a ser abordado. Porquê? Porque se tenciona casar com alguém e constituir uma nova família, é importante saber a bagagem que se transporta para o casamento. Nem todos os padrões são prejudiciais, mas identificar padrões nocivos constitui-se uma base fundamental para construir um casamento saudável. Caso contrário, a sua bagagem irá levar “roupa” que não escolheu e poderá vir a ser parte ativa nas novas atividades e dinâmicas familiares. E, sem intenção, a sua descendência irá receber esta roupa de herança, e fará parte da sua futura bagagem. E assim sucessivamente, sem ocorrer uma quebra desse ciclo.

Torna-se importante realizar uma introspeção aos seus próprios hábitos de família. Reflita, questione amigos de família, de confiança, ou outras pessoas que considere relevante para este processo de filtragem. Pergunta ao seu futuro cônjuge. No entanto, e sobretudo, solicite a orientação de Deus para este assunto.

Na Bíblia temos um exemplo inspirador de um filho que não transportou consigo a bagagem desadequada do seu pai. Saul foi um homem, e um pai, muito agressivo. Jónatas, o seu filho, foi das pessoas mais amáveis que encontramos na Bíblia. Ele não permitiu que a violência do seu pai fosse a sua própria violência, embora convivesse com ele diariamente.

O Espírito Santo irá ajudar a separar o que devemos colocar na nossa bagagem e o que devemos retirar, de modo a sermos bem-sucedidos ao constituir uma nova família. A identificação dos padrões negativos que ambos os elementos observaram/vivenciaram nas suas famílias de origem, irá auxiliar a criar estratégias como equipa para combater o que não é desejado por nenhum dos dois e glorificar a Deus com as suas vidas.

Leonor Abrunhosa

Assistente Social

Nunca é tarde demais

960 720 Aliança Evangélica Portuguesa

O título do capítulo 3 do livro de Eclesiastes (Bíblia Sagrada), diz que “Há para todas as coisas um tempo determinado por Deus” e eu acredito.

Após fazer 21 anos, consegui permissão do meu pai para voltar a estudar, um anseio que me deixava em lágrimas, cada vez que abria um ano escolar.

Fiz dois anos num só e depois, noutro ano, três anos, a parte de Letras, pensando no ano seguinte fazer Ciências, mas este último plano não aconteceu.

Veio o casamento, o nascimento das filhas, o trabalho… Contudo, sempre existia aquele sonho que desde menina me perseguia.

Não tendo completado o 9º ano, mesmo assim entrei como funcionária de um Banco e foi aí que pela primeira vez aprendi alguma coisa na área dos computadores, ligada ao trabalho que fazia: “Tratamento de Cheques”. Um salto tecnológico gigante que transformou a nossa tarefa mais rápida e, sem dúvida, mais agradável.

Onze anos e meio depois, despedi-me com a certeza de querer servir a Deus a tempo inteiro. Após quatro anos na minha nova função sendo adjutora do meu marido como pastor evangélico, recebemos um convite e fomos para Londres apoiar a Igreja portuguesa ali, começando assim a fazer missão como desejávamos.

Seis anos depois, voámos até Macau e finalmente para os Açores onde permanecemos nove anos e de onde viemos já reformados.

Uma tiroidectomia e mastectomia radical direita, no espaço de alguns meses, veio toldar aquele sonho e estava com 60 anos.

Recuperei e com, o incentivo de uma das minhas filhas, inscrevi-me no Centro Novas Oportunidades de Escolas de Azeitão. Sabia que, minimamente, teria que escrever a minha história de vida com alguns requisitos, pois bastou-me ler a frase: “Sistema de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências”, para pensar em pontos nevrálgicos da minha vida como pessoa e na sociedade em que estou inserida, em constante confronto com as mudanças tecnológicas, ambientais, comportamentais, sei lá, uma panóplia de temas que tornaram o meu RVCC em algo mais rico, com conteúdo.  À medida que avançava, sentia o gosto de colocar no papel as recordações do passado, enquanto apreciava o presente.

Foi uma descoberta, pois tive o privilégio de contar com uma equipa de formadoras simpáticas, dedicadas, sensíveis, muito humanas, que me levaram a um patamar de capacidades mais desenvolvidas apesar da idade.

Surgiram algumas tarefas. Numa delas, numa cartolina em forma de estrela escrevi um texto sobre nós, mulheres, que encontramos no Livro de Provérbios capítulo 31 e que começa com uma pergunta: “Mulher virtuosa, quem a achará”? No cimo de um tronco escultural a lembrar uma figura feminina, foram colocadas outras estrelas, que tornaram o “cabelo” multicor e com muito sentido estético e o nosso mundo ficou mais valorizado.

Outro trabalho teve a ver com alguma leitura que me tenha alertado para um dos meus cinco sentidos. Gosto muito de ler, o Livro que leio mais é a Bíblia, e lembrei-me logo do Salmo 1 que nos fala sobre “árvores plantadas junto a ribeiros de águas”. Tem sido através do Livro dos livros que vejo o nosso mundo com mais esperança.

Veio o pedido para escrever um conto que conhecesse desde criança e que me tivesse marcado. Fui de novo à Bíblia e contei a história de José que sempre achei fascinante. Um personagem maltratado pelos seus irmãos, mas cujo mal foi transformado em bem porque Deus era com ele.

Assim, tenho o diploma do 12º ano que sempre almejei. Nunca nada é tarde demais e aconteceu no tempo certo, com certeza.

No contexto em que vivo hoje, como os demais, quero continuar a olhar o futuro que cada vez é mais curto, com esperança, ânimo, alegria e passar a mensagem para que ao meu redor nada venha a ruir, mas a afirmar-se mesmo em tempos menos bons.

“Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.” (Salmos 1:3)

Carlota Roque

Missionária aposentada

PAZ, ACIMA DAS CIRCUNSTÂNCIAS

2188 1229 Aliança Evangélica Portuguesa

Cantar na cela de uma prisão não era algo vulgar. Contudo, foi o que Paulo e Silas fizeram. “E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam.” (Atos 16:25) Eles estavam presos mas as suas vozes não. Aquela era a sua oportunidade de mostrar ao carcereiro e aos outros presos quem era o Deus a quem serviam. A sua atitude foi nada menos do que viver acima das circunstâncias e não debaixo delas.

Essa é a vontade do Senhor para o nosso dia de hoje e podemos contar com Ele. Como dizia o salmista: “Elevoos meus olhos para os montes: de onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra.” (Salmo 121:1,2)

O novelo, o cajado e a pedra

Recentemente, estive internada no hospital por quatro dias e esta foi a confiança que ali recebi: não é o lugar onde estamos que define a nossa posição diante Daquele que nos guia, mesmo quando não compreendamos os Seus desígnios.

Ali, lembrei-me de Gideão e do seu “novelo de lã”,vencendo as suas dúvidas (Juízes 6,36 a 40)

Pensei também em Moisés, com o “cajado” na mão,afirmando a sua certeza em Deus e no Seu livramento a um povo cansado (Êxodo 14:13 a15)

Recordei a certeza sentida por David de que Deus ia guiar a “pedra” e anular o gigante (I Samuel 17)

Numa escala maior ou menor, quase todos nós já tivemos o nosso “novelo de lã”, o nosso “cajado” e a nossa “pedra”na mão, sabendo que o Autor do livramento está ao nosso lado e terá sempre última palavra para o que for e quando for preciso.

Lembremos as “dúvidas” que O Senhor já dissipou, os “caminhos que abriu” e os “gigantes vencidos”.

O meu desejo é que a paz que tenho recebido, vinda destes exemplos, vos alcance seja qual for a vossa necessidade, porque O Senhor é o mesmo, Ele não muda na Sua acçãomesmo quando não entendemos os caminhos por onde nos vai levando.

As asas do livramento

Temos um Deus que nos renova. Ele diz: “Esqueçam o que se foi, não vivam no passado. Estou fazendo uma coisa nova.” Isaías 43,18,19. Quando a nossa “tenda” pareceestar-se a romper, Deus ainda vai renovando a nossa alma com a paz que este mundo não conhece. É o que estou a receber hoje e o Senhor tem em abundância para dar a quem precisa. É só pedir.

A borboleta no casulo “sente” a sua prisão até ele se abrir e, ainda que passando pelo “estreitamento da saída”, ela abre asas e voa alto e livre no Céu sem limites. Ainda no “casulo”, vamos lembrar pela fé as asas do Seu livramento.

Desejo a todos os meus amigos a paz que eu tenho. Shalom.

“Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão.” (Isaías 40:31)

Carmina Coias
Missionária Aposentada

As Duas Rosas

960 635 Aliança Evangélica Portuguesa

Era Dia da Mãe. Eu tinha 17 anos e na igreja recebera uma rosa para oferecer à minha mãe, naquela manhã de Maio, cheia de sol.

Ao entregar-lhe, comovi-me. Era natural, pela relação tão próxima e carinhosa que tinha com ela. Era um prazer entregar-lhe a rosa, como símbolo de tanta coisa que desde bebé nos unia uma à outra.

Contudo, estava sensibilizada também por outro motivo, e disse-o: “Mãe, hoje gostava de ter duas rosas para oferecer: uma a ti e outra à minha mãe chinesa.”

Mãe chinesa… Era assim que eu designava a minha mãe biológica, que me dera à luz, em Macau. Na altura, ela tinha 21 anos e, sentindo-se desprovida de condições para ficar comigo, acabara por decidir encaminhar-me para a adopção. E assim, com dez meses, fui entregue a este casal português que residia em Macau, agora meus pais, que já tinham uma filha biológica e oravam por uma bebé para adoptar.

A minha mãe comoveu-se também, concordou que seria lindo eu poder fazê-lo e combinou comigo que esse seria um plano para concretizar um dia. Na verdade, na altura da adopção os meus pais haviam pedido alguns elementos mais sobre a identidade da minha mãe biológica (fotocópia de dois documentos dela), que lhes foram concedidos, para que um dia eu tivesse alguns recursos mais para procurar a minha Orquídea de Ouro (significado do nome chinês da minha mãe).

Entretanto, os anos passaram. Concluí o meu curso, casei e fui mãe há 2 anos atrás. O meu marido, que também é adoptado, decidiu procurar a sua mãe biológica. Envolvemo-nos os dois nesse processo e fomos bem sucedidos! Sim, ele encontrou a sua mãe! E voltei a pensar em encetar o mesmo processo.

Comecei por contactar uma ex-colega da minha mãe adoptiva, que vive em Macau. Ela foi a uma casa onde supostamente a minha mãe biológica viveria, segundo o endereço que tínhamos. Afinal, já não residia lá. Os vizinhos contaram que há 10 anos ela saíra dali mas asseguraram que ela continuava a viver em Macau, embora fosse da China continental, pois viam-na ocasionalmente.

Então, foi altura de escrever para o Departamento de Adopções em Macau. Responderam-me prontamente e foram procurar a minha mãe, levando fotografias minhas, ainda bebé e outras mais recentes que eu lhes enviara. E conseguiram localizá-la! Ela vive com a mãe, minha avó materna, e ambas ficaram muito felizes por ter notícias minhas. Enviaram-me fotografias delas, que recebi com alegria, e tenho observado com curiosidade e carinho.

Muitas vezes me perguntam o que sinto acerca da minha mãe biológica. A última vez que tal aconteceu foi no programa televisivo de Manuel Luís Goucha, onde participámos, o meu marido e eu, no passado dia 30 de Junho. Na verdade, não existe ressentimento nem revolta em mim. Acredito que entregar um filho para adopção pode ser um acto de amor, de grande altruísmo e generosidade. Reconhecendo que não tinha condições, a minha mãe dispôs-se a oferecer-me, assim, um futuro melhor. Sonho com o dia de a encontrar presencialmente, de a abraçar e, então, oferecer-lhe uma rosa. Estou a recolher fundos nesse sentido.

Ser adoptada lembra-me sempre o amor de Jesus, que fez o mesmo por todos nós, tal como referiu S. Paulo: “e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.” (Efésios 1:5)

Se desejar conhecer melhor a nossa história de adopção, do meu marido e a minha, poderá adquirir o nosso livro “Adoptados e Unidos pelo Amor”, contactando-nos por e-mail: adoptadosvm@gmail.com

Melissa Raquel Coias Tomé Marini

Médica de Medicina Tradicional Chinesa

VIRÁ COMO CHUVA

960 696 Aliança Evangélica Portuguesa

Gosto de ver chover. Gosto de ouvir chover. Depois, gosto do aroma da terra molhada.

Em dias de chuva, vêm-me à mente as palavras de Oseias (6:3b): “Ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.”

Pode acontecer pensarmos em Deus como Alguém distante, até inacessível. Contudo, esta afirmação refere um Deus que vem a nós, que se aproxima e toca na nossa vida. De que forma o faz? Virá como chuva, diz a passagem bíblica. Dou por mim a pensar que nesta chuva e encontro aí três características.

Nova

Não existe chuva velha. Nem usada, gasta ou remendada. É sempre nova, recebida em 1ª mão. Transparente, fresca, límpida em cada gota. Assim é o toque de Deus na nossa vida. O Seu amor puro oferece-nos o novo. “Se alguém está em Cristo, nova criatura é. As coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo”, lembra-nos S. Paulo (II Coríntios 5:17)

“Eis que faço novas todas as coisas.” (Apocalipse 21:15)

Geradora de vida

A chuva cai na terra seca, refresca-a e desperta vida. Em pouco tempo, veremos germinar por ali plantas diversas. E o cenário árido muda, passando a um fundo verde salpicado pelas cores das flores silvestres.

De igual modo, ao tocar na nossa vida, mesmo que ressequida ou inerte, Ele faz nascer e crescer sentimentos, perspectivas, ideias, acções, frutos da Sua presença, que oferecem uma nova visão e uma dinâmica própria aos nossos dias.

Serôdia

A chuva é serôdia, ou seja, acontece fora do tempo, pois não está limitada por ele. Surge como uma prenda que se recebe num dia que não é o do aniversário nem é Natal. Apanha-nos de surpresa e delicia-nos.

Acredito que Deus tem prazer em vir a nós e abençoar-nos, mesmo que seja no dia menos esperado. Enxugar as nossas lágrimas, curar as nossas feridas, levar-nos aos ombros, como o pastor que encontra a ovelha perdida, oferecer-nos paz.

Preparei esta reflexão uma noite, para a partilhar na manhã do dia seguinte, num tempo devocional por Zoom. De manhã, assim que acordei, ouvi a chuva que caía lá fora… Quase no início do Verão, sem ser muito esperada. Fez-me bem ouvi-la, como se vincasse esta verdade bíblica. Sim, Deus está perto, como a chuva que cai, natural e suavemente.

“Tu, ó Deus, mandaste a chuva em abundância, confortaste a tua herança, quando estava cansada.” (Salmo 68:9)

Bertina Coias Tomé

Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e em Psicologia Comunitária.

Ele adestra as minhas mãos

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

A pensar que “a necessidade faz o engenho”, fui espreitar o que tenho na minha caixa de costura e achei praticamente o necessário para pequenos arranjos. Com saudade, encontrei algumas coisas de há cinquenta anos atrás: linhas de alinhavar, um dedal, um ovo de madeira, uma fita métrica já bem gasta, botões, que ainda guardo, tudo isto dado pela minha mãe antes do meu casamento. Também tinha agulhas, linhas e outros itens já mais recentes, claro.

As minhas irmãs mais velhas foram sempre muito habilidosas em costura, bordados, rendas e a transformar peças de roupa dos mais irmãos velhos para os mais novos. Mais tarde, faziam as suas próprias saias, blusas e até vestidos com amigas da Igreja e recordo quando estreavam, bem lindas, no auge da juventude. Eu aprendi os rudimentos, mas sempre achei um trabalho muito parado, tinha dores nas costas e pouco jeito.

Comecei por pregar um botão, subir uma bainha. Depois, para poupar nos gastos, fui-me atrevendo nuns pontos mais ousados e descobri que é bom arriscar e cresci nesta arte mas, claro, limitada a coisas não muito complicadas.

Não tenho máquina de costura mas não tem sido impedimento pois é possível fazer ponto de máquina à mão. Tento fazer o mais perfeito possível, devagar, para não me trair. O sábio Salomão disse que “Em todo o trabalho há proveito” (Provérbios 14:23).

Há tempo, a filha Sara pediu para costurar uma mala já um pouco usada, tipo saco. Alguma coisa devia ser feita por um sapateiro, mas consegui reconstruir. Não foi grande proeza, mas é bom quando nos atrevemos e sai bem. De vez em quando, lá vem uma peça dos netos a precisar uns pontos e faço sempre com agrado.

O Salmista David disse: “Bendito seja o Senhor, minha rocha, que adestra as minha mãos…” (Salmo 144:1)

Depois, tenho outros afazeres que me agradam: limpar a casa, passar a ferro, plantar flores e vê-las crescer, manter limpo o espaço fora da casa. E amo escrever. Sei que é simples a minha escrita, mas é um escape e sei que será sempre parte integrante dos meus dias.

O tempo ocupado alivia as preocupações e ansiedades e é por aí que desejo manter-me apesar dos meus 74 anos. O resto é com Deus, que me fortalece na caminhada.

Carlota Roque

Missionária aposentada

error: Conteúdo Protegido!