• Siga-nos nas redes sociais

Geral

Crime E Castigo – Adelaide de Sousa

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

“Pois eu sei os planos que tenho para vós. São planos de prosperidade e não de desgraça, planos que se concretizarão num futuro de esperança.” (Jeremias 29:11)

 

Estas palavras encorajadoras foram proferidas por Jeremias, um jovem profeta de Deus que viveu num tempo muito conturbado da história de Israel. Aos reis, não faltavam outros profetas que se prestavam a dar sempre “boas notícias”, numa espécie de versão arcaica do positivismo a todo o custo que tem perpassado as filosofias vãs próprias da nossa Nova Era. Especialmente no campo da oncologia, a ênfase está quase sempre no “pensamento positivo” como talismã para espantar o medo de quem recebe a notícia do cancro. Agora ou há 2500 anos atrás, somos muito mais bem recebidos se trouxermos palavras que agradem do que chamadas ao arrependimento e à transformação. Jeremias e outros sofreram na pele as consequências de trazerem a verdade, pois a mensagem que tinha para o povo alertava-o para a necessidade de mudança.

 

Tanto a Bíblia como a Psico-Oncologia parecem dizer que para chegar ao que é bom, precisamos de passar pelo que é mau. Chama-se Crescimento Pós-Traumático, esta teoria de que para haver uma nova perspectiva da vida, uma nova apreciação do seu milagre, temos de passar pelo sofrimento. Este fenómeno, já que as condições em que este crescimento acontece não são tão lineares assim, é mais comum no caso das mulheres que passam pelo cancro de mama. No entanto, a teoria do crescimento pós-traumático não sugere que haja uma ausência de sofrimento à medida que nos tornamos mais sábios, mas sim que o crescimento apreciável ocorre dentro do contexto de dor e perda. De facto, pode ser necessário algum sofrimento para o crescimento ocorrer, embora demasiado sofrimento possa prejudicar os enlutados e torná-los incapazes de se envolver no processo de crescimento. Isto lembra-me quem Jesus é: aquele que não esmaga a cana quebrada nem apaga o pavio fumegante…

 

A ideia de que para se chegar ao ouro temos de passar pelo fogo perpassa todo o texto bíblico, desde Génesis até Apocalipse. E o livro de Jeremias não é excepção. A promessa dos versículos que transcrevo é boa, traz esperança, mas sabendo nós que Jeremias também avisou o povo de que iriam passar por grande sofrimento à mão dos seus invasores antes de poderem chegar de novo à paz, e que depois disso mais tribulações viriam, dá-nos uma ideia de que procurarmos as profecias que nos agradam e rejeitarmos as que podem ser mais duras não é o caminho da verdadeira transformação. Para confundir tudo, temos visto como alguns ensinamentos de prosperidade, saúde e longa vida nesta Terra como garantias para o cristão sincero são prejudiciais para o crescimento desse mesmo cristão – é uma espécie de fast-food para o espírito! Já no tempo de Jesus – e antes ainda, no livro de Jó, talvez o mais antigo da Bíblia – havia quem visse as tribulações e desgraças como sinal claro do desprazer de Deus, do pecado na vida dos que sofrem. Eis o que disse o Apóstolo Paulo a propósito de tais perplexidades:

 

“As provações por que têm passado são normais na vida humana. Pois Deus é fiel e não deixará que sejam provados acima das vossas forças. Se ele vos envia uma provação também fará com que encontrem a maneira de a poder suportar. Por isso, meus amigos, fujam dos falsos deuses.” (1 Coríntios 10:13-14)

 

Este aviso de Paulo merece uma aturada reflexão: quem são os falsos deuses na nossa vida, que tentam silenciar a verdade da Escritura para a substituir pelo que os torne adorados por si? Quem lhe diz só o que o faz sentir bem, o que eleva a sua auto-estima? Onde se refugia quando o seu barco parece afundar? E se naufragar, vai crer que é castigo de Deus? Consequência do seu pecado? A teologia da retribuição – mais conhecida por “cá se fazem, cá se pagam” – não é Cristianismo, pois o nosso Deus não nos dá tudo o que merecemos. Dá-nos o que Jesus merece, porque Ele já recebeu o nosso castigo. Assim, não há teoria do karma que aguente esta Boa Notícia: a Graça de Deus é de graça mesmo! Não posso fazer nada para merecer ser perdoada, e mesmo que o meu caminho nesta Terra seja de pecado, nem tudo o que me acontece neste lado da eternidade é punição por esse mesmo pecado. Muitas das consequências virão depois…

 

Acredito que pensar que quando alguém faz o mal vai sempre ter a sua paga aqui nesta vida seja confortador, mas pense comigo: se esta fosse a lei vigente, que pena teria eu pelo mal que já fiz? Que pena teria você? Dou graças a Deus por Jesus!

 

O que quero dizer-lhe hoje é isto, especialmente a si que está a passar por grande deserto na sua vida, uma grande provação, e que talvez esteja a ver a morte de frente pela primeira vez: não tem de ser castigo, mas pode ser oportunidade para conhecer a Deus como nunca antes.

 

Quando recebemos um diagnóstico assustador como o do cancro, recebemos algo mais ainda: ao contemplar a finitude da vida podemos dar graças a Deus por ela. Esta mensagem foi perfeitamente percebida por uma das 11 mulheres do nosso livro Mulheres Guerreiras, a Filomena: “No dia-a-dia somos imparáveis. E quando isto acontece, percebemos que de um momento para o outro não estamos cá. Quando era mais nova tinha medo de morrer, agora encaro isto como uma oportunidade para dar o melhor de mim aos outros (…) E mesmo que só viva mais um mês ou dois, o meu espírito está tranquilo.”

 

Isto é sabedoria, refinada pelo fogo da tribulação…

 

“Por isso nunca ficamos desanimados. Mesmo que o nosso corpo vá se gastando, o nosso espírito vai se renovando dia a dia. E essa pequena e passageira aflição que sofremos vai nos trazer uma glória enorme e eterna, muito maior do que o sofrimento. Porque nós não prestamos atenção nas coisas que se veem, mas nas que não se veem. Pois o que pode ser visto dura apenas um pouco, mas o que não pode ser visto dura para sempre.” )2 Coríntios 4:16-18)

 

Crê nisto?

 

Adelaide de Sousa
Apresentadora de Televisão
Coordenadora do projecto Guerreiras Portugal

Uma Vida Dedicada à Palavra: João A. C. Pinheiro (1933-2018)

1280 720 Aliança Evangélica Portuguesa

João Aníbal Coelho Pinheiro descende de uma das mais antigas e ilustres famílias do protestantismo português e, durante toda a sua vida, soube honrar esse legado trabalhando incansavelmente na afirmação da Fé Evangélica. Por via materna, transportou os genes do avô que lhe deu o seu primeiro nome próprio (o segundo viria do pai): João Oliveira Coelho. Autodidata, porém homem de cultura e saberes imensos, Oliveira Coelho, natural da Figueira da Foz, viu os seus méritos e serviço cidadão reconhecidos pela fixação do seu nome na toponímia dessa cidade litoral. Foi ainda no séc. XIX que o adolescente de 14 anos encontrou em casa um exemplar do Novo Testamento: a novidade dessa leitura viria a transformar por completo a sua vida. Entre a Figueira da Foz e Lisboa, João Oliveira Coelho, assumiu-se um dos mais insignes líderes da nascente Igreja Congregacional em Portugal, a principal denominação evangélica à época. Da sua aljava sairiam filhos e filhas que mantiveram e expandiram o fervor evangelístico do figueirense ilustre: Lídia, a filha mais velha, que viria a casar com o suíço Robert Dubois, tornando-se ambos missionários no Egito e depois no Canadá; João Calvino, o primeiro missionário português da Ação Bíblica, que exerceu a sua ação no Algarve; Emília, que casaria com Custódio Santos, mais tarde sogro de Augusto Esperança, pastor presbiteriano, também recentemente falecido, por via da filha Felícia, fruto de um primeiro casamento de seu pai com a filha do bispo Fiandor da Igreja Lusitana; Eugénia que, juntamente com Aníbal Pinheiro, também ele um empenhado pregador e escritor evangélico, viriam a ser pais de João Aníbal.

Embora nem João Oliveira Coelho, seu avô, nem Aníbal Pinheiro, seu pai, tenham pertencido à Ação Bíblica em Portugal, a vida de João Pinheiro, nascido em Lisboa a 1 de junho de 1933, entrecruza-se inevitavelmente com o desenvolvimento deste movimento e destas igrejas, estabelecidas no nosso país a partir dos anos 1920, muito por iniciativa do avô Coelho, na Figueira da Foz. À Ação Bíblica, João Pinheiro viria a pertencer até ao fim dos seus dias. Ainda muito jovem, procurou com esforço e empenho a sua formação académica superior, que viria a concluir em 1959 com uma tese de licenciatura em Filologia Românica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, intitulada Expressão da Cor em Eugénio de Castro. Todavia, não descurou igualmente a sua formação teológica, obtida na Ecole Biblique de Genève, na Suíça, entre outubro de 1959 e julho de 1961. Nessa mesma escola estudara, entre 1958 e 1959, a sua noiva, Henriette Anice Diogo, portuguesa nascida em Marrocos, também ela futura professora. Consorciaram-se na Suíça a 10 de agosto de 1961 e naquele país permaneceram alguns anos, onde iniciaram a sua atividade como professores. Do casamento, nasceria ainda na Suíça a filha de ambos, Ana Cristina, também ela, mais tarde, professora. De regresso a Portugal em 1964, fixaram-se na cidade de Faro, no Algarve, desenvolvendo juntos profícua atividade como colaboradores regulares da Ação Bíblica durante muitos anos.

João Pinheiro foi um homem de multifacetada atividade. Desempenhou a sua carreira profissional com excelência, como professor do ensino liceal, mais tarde secundário, tendo iniciado a docência ainda em Lisboa, no Liceu Pedro Nunes. Foi, porém, em Faro que viria a ser reconhecido pelos seus pares como um pedagogo notável, sendo durante vários anos Orientador Pedagógico junto à Escola Superior de Educação local. Foi igualmente um cidadão empenhado em causas políticas e sociais, chegando a concorrer à Câmara Municipal de Faro, como número um nas listas do Partido Socialista, nas eleições de 1982. Não tendo sido eleito presidente manteve, todavia, ação relevante como vereador.

No campo evangélico teve também uma atividade transversal e abrangente. Para além do já referido empenho no trabalho da igreja Ação Bíblica, cedo se dedicou à escrita e produção de material com base bíblica, designadamente as publicações periódicas Mensagens de Amor de Deus, fundada em 1973, e Palavras de Edificação, Exortação e Consolação, um bimensário iniciado em 1977. Em meados da década de 70 do século passado, participou num dos que viriam a ser um dos maiores empreendimentos da sua vida: praticamente sozinho, realizou a tradução para português da versão bíblica que na nossa língua se intitulou O Livro: A Bíblia para Hoje, que surgiu em 1981 na coleção de livros de bolso das Publicações Europa-América, apenas o Novo Testamento, e em 2001, já com o texto completo da Bíblia, em edição da Sociedade Bíblica com a colaboração do Núcleo – Centro de Publicações Cristãs. Ainda este processo estava em curso, quando iniciou a sua participação num outro projeto de tradução bíblica: entre 1999 e 2009 integrou a comissão de tradução da Sociedade Bíblica, que nessa altura revia a tradução interconfessional em português corrente, no que veio a dar origem à Bíblia para Todos, em 2009. Para além de ter participado em quase todas as reuniões de trabalho desta comissão, o que o obrigava a deslocar-se amiúde de Faro a Lisboa, teve ainda como encargo a revisão linguística e estilística de todo o texto bíblico desta tradução.

Ainda na Sociedade Bíblica, desempenhou funções de vice-presidente da Direção entre 1995 e 2005. Quando em 2003 faleceu o então presidente da Direção desta organização, o juiz-conselheiro José Dias Bravo, João Aníbal Pinheiro assumiu interinamente as funções de presidente desse órgão por quase dois anos. Manteve-se no governo da Sociedade Bíblica até 2012, tendo participado na cerimónia de apresentação do novo texto da Bíblia O Livro, em novembro de 2017. Uma das causas a que mais se dedicou foi a da educação moral e religiosa evangélica nas escolas públicas. Membro fundador da Associação de Professores Cristãos Evangélicos, acompanhou todas as diligências junto das autoridades governamentais para que fosse conferido o direito de os alunos evangélicos poderem ter uma alternativa ao ensino religioso, então atribuído em exclusivo à Igreja Católica. Entre os primeiros contactos, em 1983, até à constituição da COMACEP (inicialmente formada com representantes da Aliança Evangélica Portuguesa e do Conselho Português de Igrejas Cristãs) em 1988, João Pinheiro acompanhou todos os passos que conduziram à formação das primeiras turmas de Educação Moral e Religiosa Evangélica no ano letivo 1989/1990. Pertenceu à Direção da COMACEP durante vários anos. João Pinheiro, foi também um empenhado promotor das Sagradas Escrituras através da sua presença nos Gedeões Internacionais em Portugal.

Desaparece a 23 de setembro de 2018 um homem que, para além de membro dedicado da sua igreja, foi cultor de um espírito de verdadeira cooperação interdenominacional, tendo alargado esse mesmo sentido para um contributo à polis, o qual será decerto reconhecido durante muitos anos por todos os cidadãos de Faro, terra que adotou como sua.

 

Timóteo Cavaco, com
Rúben Oliveira

Armadilhas Do Diálogo Homem/Mulher – Isabelle Ludovico da Silva

960 637 Aliança Evangélica Portuguesa

Um casamento saudável não é um casamento onde não há brigas, mas onde os parceiros conhecem e praticam a arte da reconciliação através do diálogo. A paz não acontece naturalmente a menos que um dos parceiros se tenha anulado. Quando apenas um impõe as suas necessidades e o outro se limita a supri-las, sem direito a voz própria, vive-se uma paz artificial e destrutiva. Duas pessoas inteiras vão entrar em choque. A questão principal não é tanto o conteúdo do conflito, nem saber quem tem razão, mas como é que o casal lida com opiniões opostas para chegar a um consenso, nem que seja concordar em discordar.

As diferenças entre homem e mulher tornam-se mais evidentes em situação de stress. A principal dificuldade diz respeito à preservação de um diálogo construtivo quando um conflito vem à tona. Na crise, a mulher tende a queixar-se e o homem a isolar-se. Estas reações transformam-se num círculo vicioso. A mulher sente o silêncio do homem como uma agressão e aumenta o tom das suas cobranças. Quanto mais ela reclama, mais ele se isola na tentativa de fugir do confronto.

Os mecanismos de defesa do homem e da mulher são opostos. Ela geralmente prefere enfrentar, mas exagera as suas acusações com palavras como “sempre” e “nunca”. Ele reage ignorando os problemas esperando a tempestade passar. O ciclo crítica/desprezo transforma os parceiros em inimigos. O silêncio do homem é uma tentativa de proteção, mas funciona para a mulher como uma provocação. Ambos devem aprender a brigar e entender a atitude do outro como um desejo de ajudar e não como uma retaliação.

O homem precisa de ouvir mais e encarar os conflitos como oportunidade de crescimento e fortalecimento da relação. A mulher precisa de expressar as suas queixas de forma positiva e objetiva sem desqualificar o seu cônjuge. Os dois sentem necessidade de ser amados, respeitados, e têm medo do abandono. Por isso, na hora do desentendimento é importante renovar o compromisso que permite ir fundo na crise sem o risco de romper o vínculo. A ameaça de separação não passa de uma forma disfarçada de manipulação. Ela expressa subtilmente que o outro corre o risco de ser abandonado caso não se disponha a ceder às expectativas do parceiro.

Cada um precisa de compreender a dinâmica da relação e enxergar a sua parte no conflito. Em situação de stress, a mulher quer desabafar e ser ouvida. Ele quer ajudá-la a partir dos seus parâmetros, tentando diminuir o problema, dar uma solução prática e abreviar as queixas dela. Ela sente-se desrespeitada nas suas emoções, desqualificada, desvalorizada e censurada. Ao ouvi-la, ele desenvolve um plano de ação, interrompe a fala dela com soluções ou comentários que minimizam as suas emoções, e a deixam ainda mais brava. Ele acha que estava a ajudar e só piora a situação. Sem entender porque é que ela reage tão agressivamente, ele retira-se ferido.

Quando ele está irritado, refugia-se na sua caverna e precisa de ser respeitado na sua necessidade de tempo e espaço para digerir as suas emoções. Ela faz perguntas, tratando-o como gostaria de ser tratada. Ela só quer compartilhar o seu fardo, mas ele sente-se invadido e cobrado. Ela interpreta o silêncio dele como rejeição e cobra até ele estourar ou afasta-se magoada. Quanto mais quieto ele fica, mais ela o cutuca. Quanto mais ela o cutuca, mais quieto ele fica. O homem reage ao stress tentando manter o controle racional até estourar. A mulher tende a mergulhar nas emoções. Ele necessita de sossego para entender o que está a acontecer. Ela busca carinho e atenção para reordenar os seus sentimentos. Cada um interpreta a atitude do outro como um ataque pessoal.

Cada um deve saber cuidar de si e interpretar a atitude do outro como um pedido de socorro que merece compreensão, paciência e respeito. Nesta perspectiva, o conflito torna-se uma oportunidade para ambos desenvolverem a famosa inteligência emocional através do diálogo entre a cabeça e o coração. O homem pode aprender com a mulher a deixar as suas emoções virem à tona. A mulher pode aprender com o homem a filtrar as suas emoções através da lente mais objetiva da razão.

 

Isabelle Ludovico da Silva
isabelle@ludovicosilva.com.br

II Congresso Inter-Religioso – Cuidado do Próximo

1135 638 Aliança Evangélica Portuguesa

“Cuidar do Outro” é o tema do II Congresso do Diálogo Inter-religioso que irá realizar-se no dia 3 de outubro, entre as 9h00 e as 18h30, no auditório da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição até ao dia 26 de setembro através do link: https://bit.ly/2QFcZ9Y.

Em representação da comunidade evangélica, teremos como palestrantes, entre outros convidados, a Enfermeira Luciana Fernandes da ACEPS Portugal (Ass. de Cristãos Evangélicos Profissionais de Saúde) e ainda Francisco Chaves, Diretor do Desafio Jovem.

Os três temas em destaque nos painéis são: “Saúde e Assistência Hospitalar e às Prisões”, “Responsabilidade Social nas ONG e Sociedade Civil / Intervenção Social e Apoio Social à Comunidade”, “Educação Formal e Não Formal no Cuidado do Próximo”.

A iniciativa é promovida pelo Alto Comissariado para as Migrações, em parceria com a Comissão da Liberdade Religiosa e o Grupo de Trabalho do Diálogo Inter-religioso, com o apoio da Universidade Católica Portuguesa. As sessões de abertura e de encerramento contarão, respetivamente, com as intervenções da Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, e da Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro.

Conheça o programa, em https://bit.ly/2xlFFwG, e inscreva-se, até dia 26 de setembro, em https://bit.ly/2QFcZ9Y.
Obtenha mais informações através do e-mail: inter-religioso@acm.gov.pt

O que importa é o processo e não o resultado – Iolanda Melo

960 720 Aliança Evangélica Portuguesa

Recentemente, uma adolescente dos nossos relacionamentos mais próximos passou por uma experiência de aparente insucesso: teve a sua primeira negativa numa prova final. O mundo parecia que tinha acabado! Só conseguiu contar o resultado aos pais uns dias depois, isolou-se, ficou deprimida por algumas semanas. Ela que sempre tinha sido uma menina alegre, bem-disposta e brincalhona, estava agora cabisbaixa, irritável e macambúzia. Com muita dificuldade conseguíamos tirar um sorriso do seu lindo rosto.

Quando se é bom aluno, com boas notas e muitas expectativas da família em relação ao seu desempenho, ter que lidar com o insucesso nem sempre é fácil. Reflectindo sobre esta questão, concordo com o Dr. Augusto Cury quando afirma que os pais de hoje treinam os seus filhos para terem sucesso mas não os preparam para lidar com o insucesso.

A pressão que exercemos para que os nossos filhos sejam bem sucedidos, tenham boas notas, “cheguem mais longe”, leva-nos muitas vezes a fazer sacrifícios.  Tudo fazemos para garantir aos nossos filhos as melhores escolas, as melhores actividades extracurriculares, os melhores recursos informáticos… Em troca disso, esperamos que os nossos filhos, no mínimo, retribuam esse esfoço sendo bons alunos e tendo um desempenho académico que garanta a possibilidade de um futuro promissor. Investimos muito e desejamos que esse investimento tenha retorno. Assim, sem nos darmos conta, valorizámos mais os resultados que o processo: o que conta é o resultado e não tanto a forma como se chega até lá. Um exemplo disso é o que dizemos aos nossos filhos quando eles nos dizem a nota que tiveram. Se tiveram uma boa nota, felicitamo-lo: “Boa, parabéns!”, e facilmente gabámos a nota aos nossos amigos e familiares. Se trazem uma nota positiva mas não tão espectacular, dizemos rapidamente: “Podias ter tido melhor!”. Valorizámos o resultado! É normal, na medida em que a nossa sociedade valoriza mais o resultado, o sistema educativo valoriza mais o resultado!

Dificilmente dizemos: “Vês, o teu esforço compensou: estudaste, abdicaste da brincadeira e agora tiveste uma boa nota. Estás de parabéns!” Mas que diferença faríamos se valorizássemos o processo, e não tanto o resultado, na saúde mental e na personalidade dos nossos filhos… Haveria menos perturbações alimentares, menos ansiedade, menos depressão, maior confiança em si mesmos e nas suas capacidades…

Aprender a lidar com a contrariedade, com a adversidade, com a frustração, com o insucesso, com os nãos, com as crises e com as “tróicas” que a própria vida se encarrega de nos trazer é fundamental para o desenvolvimento de uma personalidade sadia! Queremos que os nossos filhos não só aprendam os conhecimentos necessários que lhes garantam uma vida profissional activa como também a aprendam a pensar, a relacionar-se de forma positiva com os outros, com o mundo e consigo próprios; que aprendam a expressar as suas ideias, as suas emoções, que saibam lidar com o sucesso e com o fracasso, que aprendam a trabalhar e a ser determinados no alcance dos seus objectivos e sonhos, que valorizem o esforço a ser empregue para se obter os resultados esperados.

Para que isto aconteça, também depende de nós, pais, uma atitude que favoreça esta aprendizagem integral:

  1. Conheçamos as capacidades dos nossos filhos, os seus pontos fortes e estimulemos para que atinjam o máximo do seu potencial real.
  2. Reconheçamos os pontos menos fortes e não criemos expectativas irrealistas quanto a essa realidade.
  3. Respeitemos os talentos naturais e os dons dos nossos filhos e estimulemos o seu desenvolvimento. Se o seu talento é a música, por exemplo, não vale a pena insistir para que seja um engenheiro. Nem todos vão receber 10 talentos! Uns receberão 5 e outros apenas 1, mas é nesse um que tem que se concentrar e maximizá-lo.
  4. Valorizemos mais o esforço, o empenho com que se dedicam ao estudo e não tanto ao resultado. Resultados são importantes, mas não são o fim do mundo e podem ser alcançados em função do esforço e das reais capacidades dos nossos miúdos.
  5. Anime o seu filho a lidar de forma positiva com as frustrações dos resultados menos positivos: “Na próxima vai correr melhor! Só precisas de esforçar-te mais um bocadinho, mas eu sei que és capaz! Tu consegues!”

Não é fácil contrariar a corrente, principalmente quando todos à nossa volta agem de determinada maneira. Mas quem disse que seria fácil? O que sei que não é impossível, senão Paulo não nos teria advertido: “Não vivam de acordo com as normas deste mundo…” (Romanos 12:2)

Iolanda Melo

Psicóloga, especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e em Psicologia da Educação

Ame-se! – Cindi Ângelo

960 720 Aliança Evangélica Portuguesa

“Amarás o teu próximo como a ti mesmo…”
Marcos 12:31

Essas palavras ratificadas por Jesus, parecem ser tão fáceis de ser vividas, mas na prática não o são. Elas estavam na Lei de Moisés (Lv 19:18) porque Deus queria que a medida do amor que sentimos e demonstramos pelos outros, fosse a mesma que temos em nós e por nós. O caminho não pode ser inverso, e a verdade é que não conseguimos amar verdadeiramente os outros se primeiro não nos amarmos a nós mesmos. Como cuidaremos dos outros, se não cuidamos de nós próprios? Como ajudaremos as pessoas a serem sanas, se vivemos com o nosso mundo interior tão bagunçado?

É bem verdade que não é fácil ter um equilíbrio entre o amor saudável e o ego, entre o pensar mais em si e menos de si. Entre querer para os outros aquilo que quer para si mesmo.

Como podemos declarar que nos amamos se temos tão pouco cuidado com a nossa própria vida?

Não é fácil, mas é possível! Com Cristo é possível! É possível amarmos os outros com a mesma medida que nos amamos.

Um dos conselhos que Paulo deu para o seu filho na fé, Timóteo, foi: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” (1 Tm 4:16).

Muitas pessoas lutam para satisfazerem os seus desejos e apelos da sua natureza, acreditando que estão a fazer bem a elas, mas devido ao estilo de vida que levam, fica evidente que fazem mais mal a si mesmas do que bem.

Precisamos de refletir e concluir, que, quando não cuidamos de nós mesmos, estamos a afetar negativamente a vida de muitas outras pessoas. É por isso que precisamos primeiro cuidar de nós mesmos.

Deus nos constituiu de 3 partes distintas, mas que estão interligadas entre si. Nós somos um espírito, que tem uma alma e habita num corpo. Estas 3 partes precisam de ser bem cuidadas por nós. Paulo nos diz: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5:23).

A primeira coisa que o Espírito Santo nos quer dar para tornar mais fácil a administração do nosso ser como um todo, é a sua paz. Sem ela, o nosso mundo vira de pernas para o ar e tudo tende a sair fora do seu lugar. Sem ela, a ansiedade toma conta dos nossos pensamentos e o caos pode instalar-se.

Essa paz não se compra no supermercado, nem se adquire com técnicas de relaxamento ou com pensamento positivo; ela é um presente de Deus para nós. Jesus disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (Jo 14:27).

A paz é também o resultado do novo nascimento que acontece em nós quando o nosso espírito (quem realmente somos) é recriado por Deus, ao convidarmos a Cristo para ser o Senhor do nosso coração. A sua paz toma conta do nosso espírito e nos sentimos como meninos, nascidos de novo, realmente, pois identificamos a presença de Deus em todos os momentos na nossa vida.

A seguir, a nossa alma (nossa mente, emoções e vontades) também vai sendo colocada em ordem, porque compreendemos que o nosso passado foi redimido e o nosso futuro é garantido.

A nossa alma sente paz porque ela crê que Deus tem o melhor para cada um dos seus filhos. O novo nascimento nos transporta para o Reino de Jesus, e a natureza do seu Reino é “justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Rm 14:17). Passamos a ter uma nova família, novos amigos, novos irmãos. Esse meio onde passamos a conviver, torna-se não apenas um grupo religioso, mas também terapêutico; afinal, os bons relacionamentos podem nos curar…

Aos poucos as feridas da alma, as lembranças dolorosas que trouxeram o ressentimento (sentir de novo), momentos dolorosos, traumas profundos, vão sendo curados pelo poder da sua paz, que nos ajuda a ser mais que vencedores. Você já prestou atenção na palavra “vencedores”? Aqueles que vencem dores. Deus faz isso connosco. Ele nos dá um novo espírito, um espírito de superação que olha para frente, para adiante, para o futuro promissor e abençoado que está à nossa espera.

Como filhos de Deus podemos acreditar que tudo nEle é progressivo, é de “fé em fé, de glória em glória, de triunfo em triunfo” (2 Co 1:24, 2:14,3:18).

Colocar a nossa alma em ordem é o grande desafio do Espírito Santo, e creio que ele ama esse desafio, pois já vê a sua obra-prima concluída com êxito!

Quando o nosso espírito e a nossa alma estão em ordem, podemos ter mais determinação em cuidar do nosso corpo, que é o “templo ambulante de Deus”.

Pense comigo: Como podemos declarar que nos amamos, se trabalhamos mais horas do que o nosso corpo consegue suportar? Ou quando dormimos tão pouco, comemos tão erradamente, somos tão sedentários ou temos uma vida tão desregrada…

Eu comecei este artigo a dizer que as palavras de Jesus não eram fáceis de serem vividas, mas graças a Deus, que, com a sua ajuda, elas são possíveis. É possível nos amar e amarmos os outros como a nós mesmos.

Shalom!

Cindi Ângelo
Licenciada em Teologia, escritora, missionária e pastora da Igreja Metodista Livre.

Espere o Tempo Certo – Ana Pereira

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

Espere o Tempo Certo…

“A posse antecipada de uma herança no fim não será abençoada.” Provérbios 20:21

Querer tomar posse de algo fora do tempo, traz consequências, apesar do imediato prazer de saborear o tão esperado. É dar mais valor às coisas do que ao tempo de Deus, é querer alimentar a ansiedade por não saber esperar.

Jesus retrata um filho que pediu antecipadamente ao seu pai, a parte da herança que lhe pertencia. Isto não era uma prática comum, na verdade era uma agressão, uma vez que a herança só era atribuída depois da morte do pai. Com esta atitude antecipada, o filho estava a dizer que o seu interesse não estava na vida do pai mas nos seus bens e não soube nem queria esperar o tempo de Deus para tomar posse da mesma. Esta atitude de querer antecipar a herança, não lhe trouxe bênção mas obstáculo no seu caminho. Este mesmo princípio aplica-se na nossa vida, quando não sabemos esperar o tempo certo e antecipamos as coisas para que tudo fique da maneira como queremos.

Tudo tem um tempo certo! Mas por vezes a nossa ansiedade em usufruir das coisas, tomar posse delas leva-nos a colocar em segundo lugar a vontade de Deus e a não querer ouvir a Sua direção. Seja uma pessoa que não antecipa a ”herança”, que sabe esperar para usufruir do melhor de Deus. Não se precipite na escolha do seu cônjuge, não se precipite na mudança do seu trabalho, não se precipite nas suas decisões, não se precipite! Espere o tempo de Deus!

… E viva por Amor

“Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros, Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.” João 13:34-35

Em tudo na vida devemos fazer com amor. Sem amor, tudo se torna superficial, mecânico, vazio, obrigatório. Como seria gratificante se tivéssemos todos num trabalho em que amamos o que fazemos? Como seria mais leve se todos os atos de serviço não fossem por obrigação? Como seria prazeroso se todos nos amassemos uns aos outros como a nós mesmos?

Primeiramente por amor a Jesus, devemos ter em conta este mandamento de nos amarmos uns aos outros, pois seremos conhecidos por seus discípulos através deste “perfume” maravilhoso e com uma durabilidade eterna. Tudo o que fazemos com amor gera frutos. Pode não ser no imediato mas chegará um dia de ver o fruto da semente do amor em tudo o que fazemos.

O amor perfuma qualquer ambiente e muda atmosferas. Fácil é amar a quem admiramos, nos identificamos, no entanto o Senhor Jesus não fez essa distinção do grupo de pessoas, Ele amplificou a todos os segmentos, raças, temperamentos e opiniões, simplesmente “amai-vos uns aos outros”. Não existem requisitos, existe um mandamento para amar! Então viva por amor em tudo o que fizer, que os que o rodeiam possam sentir o amor de Deus através da sua vida, que possam ver através dos seus comportamentos de amor que é discípulo de Jesus.

 

Ana Pereira
Pastora na Missão Cristã Internacional
Licenciatura em Gestão de Marketing e Bacharelato em Teologia

Do Entulho ao Restauro – Priscila Ferreira

1280 800 Aliança Evangélica Portuguesa

“Usarão o entulho do passado para construir de novo, recontruirão (…) Serão conhecidos como aqueles que reparam qualquer coisa, restauram ruínas antigas, reconstroem e renovam, tornam a comunidade habitável outra vez.” Isaías 58:11-12 (adaptado AM)

Num mundo onde a superioridade e o egoísmo parecem querem suplantar-se há, ao que podemos observar, o desprezo e desinteresse. Tanto pelo que já não é considerado o “último grito da moda” como (e muito mais grave) o desacreditar dos que, por razões que nos são alheias, falharam ou até mesmo desistiram de viver, resultando na degradação do percurso de vida e consequente entrega a determinado vício. Podemos concordar que “saber viver” é talvez o maior desafio de todos e o nosso “segredo” está realmente em Deus. Fora d’Ele jamais fará sentido.

Uma mesinha de cabeceira, julgada inútil, fora de moda e sem valor, estava atirada num monte de entulho dentro da mata. Não sei quanto tempo terá ficado ali, ao ponto de estar cheia de caruncho (térmita da madeira) e empenada. Foi lá que o meu pai a encontrou. Acabou por trazê-la com a ideia de que poderia “salvá-la”. O cenário era desanimador, o caruncho tinha provocado uma série de estragos! Porém, a verdadeira Esperança não se rende. Foi um processo detalhado e moroso, do lixar até ao pormenor do acabamento, em cada etapa, com muita paciência. E o resultado?? Bastante inspirador! A convicção era que no lixo o meu pai achou o “tesouro”.

Todos os dias nos cruzamos com pessoas que estão tal e qual esta mesinha, como entulho rotulados de lixo. Vivem sem esperança. Porém, foi-nos confiada a responsabilidade de “recolhê-las” ao lugar de Esperança, Jesus. Estes não são somente os sem-abrigo, são a vizinha do lado, a professora, a colega de trabalho e também a senhora do café.

É inexplicável o privilégio de ser alguém que testemunha em “primeira mão” diariamente o «restauro de ruínas» (Isaías 58:12). Por ser tal um privilégio, não podemos de forma nenhuma ser egoístas. Esta Esperança que «Repara qualquer coisa» e que «Usa o entulho (…) para construir de novo» é O bem precioso que temos de partilhar! Não no que apenas falamos, mas na forma como vivemos e amamos aqueles à nossa volta. É um processo moroso mas o resultado final é largamente recompensador!

 

Priscila Ferreira

Quem Criou o Sorriso? – Clarisse Barros

960 640 Aliança Evangélica Portuguesa

A família era grande. Havia muitas crianças. Um bebé de colo e vários outros filhos já em idade escolar e pré-escolar. Naquele dia, estavam todos em casa. Todos, menos o pai. Onde está o pai? A trabalhar. Outra vez? Mas hoje é sábado… Sim, mas o pai trabalha por turnos, só vem à noite, muito tarde, quando já todos estiverem a dormir. Ah, pois é…

A mãe tinha as costas curvadas por causa do peso do bebé e ia realizando algumas tarefas com uma mão apenas. Parecia muito cansada. Tinha aquele ar pesado e triste de quem está exausta e preocupada. As duas rugas verticais vincadas no meio da testa mostravam às crianças que ela não estava com capacidade para brincar, nem tolerar traquinices. Os filhos mais velhos estavam a fazer desenhos e a ver televisão. Estava tudo sossegado…

A criança de quatro anos, porém, estava pensativa. Aproximou-se e ficou a observar a mãe, em silêncio, durante alguns momentos, com os seus grandes e lindos olhos castanhos. Depois, uma pergunta aparentemente muito simples quebrou esse silêncio breve entre mãe e filha:

  • Mãe, quem criou o sorriso? Foi Jesus? – perguntou a pequenita.
  • Sim, foi Jesus. – Respondeu a mãe.
  • Então, por que é que nós cá em casa nunca sorrimos?

A esta nova pergunta da menina a mãe não conseguiu responder. Já não se lembrava de como era bom sorrir… Já não ouvia as suas próprias gargalhadas há muito tempo. Pensou: “Ela tem razão… Deixámos de sorrir nesta casa… Quando foi que eu deixei de sorrir? Quando foi que comecei a mostrar aos meus filhos que aqui em casa não há lugar para sorrisos?”

Olhou à sua volta vagamente e disse à menina que fosse para junto dos irmãos. Enquanto a pequenina se afastava, as lágrimas correram pelo rosto da mãe, como um regato que desliza, sem parar, sobre as pedras do seu leito. E a mãe olhou de novo à sua volta. Olhou com mais atenção para o amontoado de cabecinhas pequenas, que eram a sua maior razão de viver, e percebeu que lhes devia um sorriso. Cada uma daquelas crianças era um presente de Deus na sua vida. Todas diferentes e todas tão especiais! Mesmo que as circunstâncias fossem difíceis, mesmo que houvesse muitos problemas para resolver, mesmo que os desafios parecessem maiores do que as suas forças, ainda havia espaço e motivos para a gratidão e para a alegria. E lembrou-se das palavras registadas na Bíblia, em Filipenses 4:4, sublinhadas pela sua própria mão: “Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos.”

“(…) portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força.” (Neemias 8:10)

Sim, Deus criou a alegria! Ele mesmo é a nossa fonte de alegria, o motivo e a força por detrás do nosso sorriso.

Não sei o que aquela mãe vai fazer acerca do seu sorriso, mas espero que volte a sorrir. Sei que todas nós precisamos de momentos de pausa para contar as bênçãos do Senhor sobre a nossa vida e para sorrir de novo. O sorriso semeia a simpatia, a tranquilidade e a alegria. A alegria gera a força que conduz à vitória (em Deus, pela fé). Precisamos disso.

Se for necessário, reaprenda a sorrir!

 

Clarisse Barros
Professora e Escritora

Mulherzinha, Supermulher Ou Simplesmente Você? – Isabelle Ludovico da Silva

1280 853 Aliança Evangélica Portuguesa

O estigma que pesa sobre a mulher não é recente. A supremacia do homem deu-se às custas da desvalorização da mulher. O homem encarregou-se sozinho da construção do mundo e confinou a mulher na esfera privada gerando assim uma dicotomia empobrecedora para ambos. A mulher anulou-se para atender às expectativas do “príncipe encantado” e dedicou-se ao cuidado dos filhos e da casa. Esse trabalho não remunerado resultou numa dependência económica que se transferiu para o plano emocional.

Reproduzindo o modelo da própria mãe, a mulher confunde gradualmente a sua identidade com a sua função materna. Até o seu marido frequentemente passa a chamar-lhe “mãe”. Quando os filhos se tornam independentes (apesar dela, diga-se de passagem), ela tem que enfrentar a sua pior crise: a “síndrome do ninho vazio”. A relação conjugal dissolveu-se e foi substituída pelos papéis parentais que já não têm mais razão de ser. O marido investiu as suas energias no trabalho e enfrentou desafios que o levaram a crescer enquanto ela estagnava num universo restrito, delimitado pelos famosos três “C”: casa, comida e criança. Restam-lhe a solidão, a frustração e o ressentimento pela falta de gratidão do marido e dos filhos. Esta Amélia vive à sombra do marido porque teve medo de se aventurar fora do casulo da casa que serviu de proteção, mas também de prisão. O seu potencial foi tolhido enquanto desenvolvia mecanismos manipulativos para compensar a exigência de submissão, estabelecendo assim com o marido uma relação de mútua desconfiança.

A partir dos anos 60, este modelo foi rejeitado por muitas mulheres que reivindicaram a sua emancipação e partiram em busca de novos desafios. Na ânsia de compensar o tempo perdido, a mulher quis desempenhar todas as funções ao seu alcance. Esta mulher maravilha inaugurou um período no qual a luta pela sua auto-realização se travou no terreno da competição com o homem: universidade, profissionalização…, mas também dupla jornada de trabalho para não deixar de ser mãe e dona de casa e provar a si mesma que é capaz de brilhar em todas as áreas e conciliar todos os papéis… Ou por exigência do parceiro que, numa mensagem dupla, incentivou as suas conquistas profissionais desde que o equilibro familiar não fosse alterado. Ela fez o possível para se encaixar no mundo frio, objetivo e racional construído pelos homens abdicando, para isso, de uma parte fundamental da sua personalidade: a ternura, a subjetividade, a sensibilidade, o instinto, a empatia. Ela conseguiu êxito profissional, mas à custa do fracasso da sua relação amorosa e do desajuste dos filhos, sem falar do stress. Tendo investido muito na sua auto-realização, ela sente-se, pela segunda vez, frustrada e solitária. Ela passou muito radicalmente da passividade e resignação a uma atitude omnipotente.

A mulher alcança agora a sua grande oportunidade de uma verdadeira libertação. Para isso, ela precisa de encarar os conflitos e os antagonismos que convivem dentro dela, dos quais ela tentou fugir através de um ativismo desenfreado e que são frutos da coexistência interna de modelos modernos e tradicionais: a dependência de um poder-saber externo (pai, marido, médico…) apesar da descoberta dos seus próprios recursos; a expectativa incoerente de uma atitude de docilidade e fragilidade na relação afetiva contrastando com a força e determinação necessárias na vida profissional. Está na hora da mulher fazer um balanço que pode dar início a uma nova fase integradora, de resgatar a relação com o parceiro e os filhos, de renunciar à competição em favor da cooperação e do companheirismo. Ao ter a coragem de encarar os seus próprios medos, limitações, raivas, desejos, a mulher poderá também respeitar os do homem. Após ter confundido a sua identidade com a sua função de mãe e, posteriormente, com o seu desempenho profissional, a mulher quer, hoje, ser reconhecida não pelo que ela faz, mas pelo que ela é. Ela não visa somente a igualdade de direitos com o homem, mas a restauração dos valores “femininos”: sensibilidade, empatia, intuição, compaixão. Valores essenciais para construir vínculos significativos, inclusive com Deus.

Isabelle Ludovico da Silva
isabelle@ludovicosilva.com.br

error: Conteúdo Protegido!