• Siga-nos nas redes sociais

Artigos Gerais

Bridge 2024 – Conferência anual dos membros associados da European Freedom Network

1310 734 Aliança Evangélica Portuguesa

Bridge 2024 – Conferência anual dos membros associados da European Freedom Network

A Bridge 2024 foi uma conferência realizada em Março, em Portugal (S. Domingos de Rana), reunindo mais de 100 abolicionistas evangélicos de 27 países europeus. O tema do evento, este ano, foi “Conectar, Colaborar e Criar”, refletindo a missão da European Freedom Network (EFN), rede europeia de organizações evangélicas contra o Tráfico de Seres Humanos. Desde 2012 o propósito da EFN é combater o tráfico humano e a exploração comercial, trabalhando para a restauração das vítimas em parceria com outros stakeholders estratégicos. Diferentemente de conferências anteriores, esta foi quase exclusivamente liderada pelos membros da EFN, abordando uma variedade de tópicos, desde o envolvimento necessário da igreja até aos cuidados com a saúde dos colaboradores e voluntários que trabalham com estas temáticas. O evento visava promover relacionamentos e networking entre os participantes de forma a fomentar a colaboração transnacional. Destaques incluíram momentos de oração, sessões de paineis interativos e o apoio de palestrantes externos, como Connie Duarte e Stieneke van der Graaf. O sucesso da conferência foi evidenciado pela participação de novos membros e pela continuação do trabalho da EFN na luta contra o tráfico humano.

Mais informações sobre a EFN podem ser encontradas aqui:

A notícia completa pode ser encontrada aqui: https://www.europeanea.org/efn-bridge2024/ e aqui: https://evangelicalfocus.com/europe/26155/bridge-2024-christian-abolitionist s-gathered-in-lisbon-to-build-partnerships

Fórum Evangélico 2024 “Up Un Go – Desperta o Gigante Adormecido”

1600 1066 Aliança Evangélica Portuguesa

Mais de 600 cristãos (na sua maioria jovens) e de 100 voluntários participaram no passado sábado no Fórum Evangélico 2024, que decorreu em Mem Martins no espaço da “MCI – Missão Cristã Internacional”, com o tema “Up Un Go – Acorda o Gigante Adormecido”.

Música, Louvor, Expo Evangélica, Experiências Imersivas, Palestras, Workshops e muitas conexões entre diferentes igrejas e organizações, fizeram parte desta iniciativa que foi organizada pela Aliança Evangélica Portuguesa.

O tema escolhido para este ano foi “UP UN GO – Acorda o Gigante Adormecido”, com o objetivo de despertar esta geração para um compromisso com Cristo, viver os valores do Evangelho e anunciar o Seu amor. Um amor que restaura, que nos devolve identidade, que nos consola, cura e traz Salvação!

O orador convidado deste Fórum Evangélico foi Dan Randall (Líder da Rede de Jovens da Aliança Evangélica Europeia, Diretor da Hope Together Youth, pastor da Life Church Lancashire, líder europeu do NXTMove). Ao longo do dia, ouvimos também testemunhos inspiradores de jovens cristãos envolvidos nas áreas do desporto, política, acolhimento de crianças, missões, evangelismo digital, estudantes, entre outras esferas de influência. Todos eles com o mesmo foco: “serem sal e luz” onde quer que estiverem.

Segundo Timóteo Cavaco, presidente da AEP, este Fórum foi “fundamentalmente um tempo de comunhão e de partilha. Organizado e promovido pelos jovens, mas não apenas para eles. Foi para todos!”.

Jonas Nunes, responsável pela Assessoria da Juventude da AEP, sublinhou também que a diversidade de cristãos evangélicos presentes neste Fórum mostra que “o Reino de Deus não são igrejas, mas é quando estamos unidos pelo Espírito Santo para testemunhar Cristo a todo o Portugal”.

A propósito, Sara Narciso, da Assessoria de Comunicação da AEP, sublinhou ainda a dupla dimensão deste Mega Encontro: “Por um lado, a conexão entre as várias igrejas e organizações para nos conhecermos melhor internamente e nos inspirarmos uns aos outros. Por outro, deixarmos fluir também lá para fora esta paixão que todos nós temos por Jesus, para que mais pessoas possam conhecê-lO e experimentar este amor que a todos Ele oferece”

Recordamos que a Aliança Evangélica Portuguesa representa os evangélicos em Portugal, herdeiros da Reforma Protestante, que creem em JESUS CRISTO como Filho de Deus que ressuscitou de entre os mortos e têm a Bíblia como única regra de fé. Congrega cerca de 700 comunidades locais e mais de 60 organizações (incluindo organismos de cooperação de igrejas e instituições de solidariedade social). Embora não existam dados concretos sobre o número total de evangélicos em Portugal, estima-se que este ultrapasse os 200.000 residentes em todas as regiões do nosso território, entre os quais se incluem uma maioria de cidadãos portugueses, mas também provenientes de diversas nacionalidades.

O FÓRUM EVANGÉLICO foi então um encontro entre TODA A FAMÍLIA EVANGÉLICA EM PORTUGAL. O do próximo ano fica novamente agendado para o fim-de-semana depois da Páscoa. Até lá, é possível seguir a Aliança Evangélica através das redes sociais e pelo site www.aliancaevangelica.pt

UNIDOS PELO EVANGELHO EM PORTUGAL!

Reportagem: Som da Liberdade. Um filme sobre o tráfico de crianças

808 1140 Aliança Evangélica Portuguesa

No passado dia 11 de fevereiro, os jovens e adolescentes da Assembleia de Deus “Encontro Vida”, assistiram ao filme “Som da Liberdade”, uma longa-metragem que estreou em 2023 e que aborda a temática do tráfico de crianças. Eram dez e meia da manhã de domingo, quando os jovens e adolescentes da igreja Encontro Vida se reuniram para assistirem em conjunto ao drama “Som da Liberdade”, produzido pela Angel Studios.
Antes de darem início ao filme, os jovens aproveitaram para conviver uns com os outros enquanto esperavam por aqueles que ainda pudessem chegar. As expetativas estavam muito equilibradas, sendo que havia alguns que, primeiro, queriam ver o filme e depois desenvolver uma opinião, enquanto outros estavam ansiosos e um pouco curiosos para saber o que ia acontecer.
A igreja começou a ficar composta. Ouvia-se o barulho da napa das cadeiras à medida que os jovens e adolescentes se sentavam. A equipa de multimédia da igreja apagou as luzes, projetou a imagem no ecrã, aumentou o som e deu-se início ao filme. O silêncio já se sentia e via-se uma enorme concentração por parte dos espetadores para acompanharem os primeiros momentos da história.
O “Som da Liberdade” é uma longa-metragem baseada na história verídica de Timothy Ballard, um ativista contra o tráfico de crianças e, também, um dos principais responsáveis pela consciencialização do tráfico sexual e do que o mesmo envolve.
Tim Ballard é autor de diversos livros e pai de nove filhos, dois dos quais são adotados. Em 2013, fundou a organização sem fins lucrativos Operation Underground Railroad (OUR), a qual lhe concedeu o privilégio de resgatar milhares de vítimas da tragédia que define o tráfico humano.
Com o apoio das doações privadas, Ballard e a sua organização conseguiram salvar muitas vidas, no entanto, o processo nem sempre foi fácil.
No decorrer da sua atividade pelo mundo, Ballard enfrentou muitos problemas relacionados com as regras e as leis de cada país e ainda teve de lutar contra algumas autoridades locais, todavia, a compaixão pelas vítimas fê-lo manter-se firme e hirto na sua caminhada.
No filme, o ator Jim Caviezel, que representa Tim Ballard, decide dedicar a sua vida, exclusivamente, à missão de resgatar crianças vítimas de tráfico sexual na Colômbia.
Após conseguir resgatar Miguel, uma das crianças vítimas de uma rede de tráfico sexual, Jim fica a saber que a irmã de Miguel também foi raptada e é nesse momento que Jim decide abandonar o seu emprego e tudo o que tem para salvar a menina.
O grupo de liderança do ministério de jovens e adolescentes da igreja Encontro Vida, decidiu incluir o filme “Som da Liberdade” numa das atividades do segundo período do ano letivo de 2023/2024. Esta iniciativa surgiu da necessidade de “os jovens e adolescentes se saberem posicionar, enquanto cristãos, perante a dor do outro, o sofrimento e a injustiça no mundo. Serve também como reflexão de como se têm preocupado com as dificuldades das pessoas mais vulneráveis ao seu redor”, afirma João Beirão, um dos líderes da Geração Touch, o nome dado ao ministério de jovens e adolescentes da AD Encontro Vida.
Antes de o filme ser exibido na igreja, os líderes assistiram ao mesmo no cinema, o que deu para concluir que “não era chocante em termos de imagens e em termos gráficos, mas ao mesmo tempo retratava o tema de forma sensata, sem tirar a responsabilidade e o peso que este acarreta”, indica João Beirão.
A Bíblia alerta o cristão para esta realidade através de diversas passagens, sendo uma delas Deuteronómio 24:7: “Se for descoberto alguém que, havendo roubado um dentre seus irmãos, dos filhos de Israel, e tenha escravizado ou vendido, esse ladrão morrerá. Assim, exterminarás o mal do meio de ti”.
O livro de Deuteronómio foi escrito por Moisés, na época em que o povo de Israel andava pelo deserto, antes de ir para a Terra Prometida por Deus a Abraão.O capítulo 24 em específico, transmite a ideia de que a justiça deve ser sempre equilibrada e demonstra uma grande misericórdia e compaixão com os direitos dos mais vulneráveis.
Este capítulo da Bíblia também enfatiza a importância da vida e da dignidade humana para Deus, Aquele que é sempre Justo e o Consolador do seu povo. O bem-estar dos mais necessitados e a justiça para com o povo são duas características salientadas neste versículo.
Outros exemplos de passagens bíblicas que referem que o cristão deve procurar fazer justiça pelos outros são Mateus 19:19: “…Amarás o teu próximo como a ti mesmo”; Efésios 4:32: “Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo”; Provérbios 31:8-9: “Abre a tua boca a favor do mudo, a favor do direito de todos os desamparados. Abre a tua boca, julga retamente, e faze justiça aos pobres e aos necessitados”; Isaías 1:17: “Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas”, entre muitos outros.
O livro de Mateus foi escrito por volta do ano de 50 d.C., pelo próprio apóstolo e relata o início da vida de Jesus na terra e também os primeiros passos da igreja inicial.O capítulo 19 tem o seu contexto na região da Judeia e relata o encontro de Jesus com um jovem rico que lhe perguntou o que era necessário para herdar a vida eterna, ou seja, viver para sempre com Deus. Em resposta, Jesus referiu a importância de os seus seguidores renunciarem tudo em prol de uma vida de comunhão com Ele e também destacou a obediência aos dez mandamentos, que se encontram em Êxodo 20:1-17.  É precisamente aqui que Jesus diz ao jovem que ele devia amar o próximo como a si mesmo.
No que toca a Efésios 4:32, a epístola de Paulo aos crentes de Éfeso foi escrita entre os anos de 60 e 63 d.C. pouco depois do livro de Mateus. O principal objetivo de Paulo ao escrever esta carta foi poder dar ferramentas e ensinamentos sólidos para todos os cristãos em Éfeso que procuraram ser mais parecidos com o carácter de Jesus Cristo.
Consequentemente, no capítulo 4 deste livro, Paulo realça a união que os cristãos devem ter uns com os outros. O apóstolo indica que a vida de Cristo no crente leva a que o mesmo seja uma pessoa benigna, que pratique atos de bondade e que tenha a capacidade de perdoar os erros que os outros cometem contra ele, tal como Deus fez com toda a humanidade.
Em relação ao livro de Provérbios, este está inserido no Antigo Testamento e foi escrito pelo Rei Salomão por volta do ano de 900 a.C.
O capítulo 31 cita os ensinamentos que a mãe do Rei Lemuel, um dos reis mencionados em Provérbios, lhe concedeu.
Especificamente nos versículos 8 e 9, a mãe de Lemuel aconselhou-o a lutar por aqueles que, por diversos motivos, não conseguiram ter Voz na sociedade. Encorajou-o a fazer justiça pelos necessitados e a cuidar deles.
Por último, para contextualizar o livro de Isaías, é necessário dizer que este também está enquadrado no Antigo Testamento da Bíblia e que foi escrito pelo próprio profeta no ano de 900 a.C.
Na época em que Isaías escreveu esta obra, a nação de Judá, que habitou na terra de Jerusalém, passou por um período de forte rebeldia contra Deus e a mensagem que o profeta passou foi a de arrependimento e reconciliação com o Senhor.
Isaías exortou o povo a fazer o bem e a lutar pelas causas dos mais necessitados, contrastando a condição de pecado atual do povo com as bênçãos que o mesmo poderia ter ao obedecer a Deus e ao que Ele pretendia.
O grupo da Geração Touch, ainda inclui alguns adolescentes, mas essa nunca foi uma justificação para ocultar a realidade que o filme passa. De acordo com João Beirão, “o confronto com o real é muito necessário para os mais novos conhecerem o mundo em que vivem e para que pensem no que estão a fazer no seu dia-a-dia para amar mais o próximo. É fundamental não deixarmos de ter sensibilidade para com o outro”, alega o líder de jovens e adolescentes.
O filme apela ainda para o cuidado que os jovens e, especialmente, os mais novos devem ter com a Internet. Muitos adolescentes são seduzidos a participar em concursos e em atividades, sem terem a plena noção do esquema que está por trás e por isso “a mensagem também é boa nesse sentido, porque nos leva a pensar sobre o uso que damos à Internet e ás redes sociais”, declara João Beirão.
Após uma hora e meia de filme, as luzes voltaram a estar acesas e o ecrã foi desligado. A reação dos jovens foi de alguma reflexão sobre o que tinham acabado de assistir. “Eu tinha ideia de que este tema era real, mas não sabia que o número de crianças afetadas pelo tráfico humano e sexual a nível mundial, era tão elevado”, refere a jovem Ana Sofia Sousa, estudante de mestrado em investigação biomédica.
Miguel Pires, estudante de 13 anos e um dos adolescentes que também faz parte do grupo, afirma que este filme lhe deu uma nova perspetiva em relação à preocupação geral dos pais para com os filhos. “Por vezes os pais não nos deixam sair com os nossos amigos por preocupação e realmente é verdade, quando estamos lá fora não sabemos o que pode acontecer”, indica.
Os dois jovens admitiram ter concordado com esta iniciativa por parte da sua igreja local, pois “não é um assunto muito falado no meio cristão e é necessário”, diz Ana Sofia. Já Miguel, considerou que “foi uma atividade importante para termos noção do que se passa a nível global”.

Ministério de jovens e adolescentes da AD Encontro vida
12/03/2024

Os Evangélicos e as Eleições

1079 462 Aliança Evangélica Portuguesa

Portugal atravessa um período de pré-campanha e campanha política para as próximas eleições legislativas, a realizar no dia 10 de março, as quais determinarão a futura Assembleia da República e dela a composição do próximo Governo. Ao fim de quase 49 anos, desde que no nosso país foi realizado o primeiro ato eleitoral livre, democrático e universal, os cidadãos eleitores serão mais uma vez chamados às urnas para exercerem, na base da consciência individual de cada um, a sua obrigação cívica ao escolherem os seus futuros representantes na nobre casa da democracia.


Os evangélicos em Portugal, que detêm capacidade eleitoral, são firmemente incentivados a exercer o seu direito e a participar, na medida em que considerarem adequado, nas ações legítimas que contribuam para o seu – e de outros – esclarecimento cívico. Não obstante, a Aliança Evangélica Portuguesa (AEP), sendo a mais antiga e representativa organização protestante no país, que congrega e representa mais de 500 igrejas com implantação local, cerca de 60 organizações interdenominacionais ou organismos de cooperação de igrejas e ainda quase três centenas de crentes evangélicos individuais, manter-se-á – como em qualquer outra ocasião – absolutamente neutra no plano partidário.


Presente em Portugal, desde 1849, com atividade desde 1879, constituída em 1921, com Estatutos aprovados em 1935 e pessoa coletiva religiosa radicada desde 2006, a AEP tem atravessado todos os regimes do período contemporâneo na estrita observância e respeito pelos poderes políticos e outros poderes fáticos, ainda que muitas vezes ao longo deste percurso, mesmo na atualidade, o enquadramento jurídico-legal não lhe tenha sido favorável, nem a ação antagónica de certas forças sociais e religiosas. No presente, tal como no passado, a AEP preserva sempre a sua natureza estritamente apartidária, embora, como parte ativa da sociedade portuguesa, mantenha relações político-institucionais no quadro dos órgãos de soberania, designadamente Presidente da República, Governo e Assembleia da República, e ainda dos órgãos das regiões e das autarquias.


Como herdeiros dos princípios da Reforma Protestante do século XVI, os cristãos evangélicos portugueses reconhecem e primam pela centralidade e autoridade da Bíblia como Palavra de Deus, incentivando a sua livre leitura e exame por parte de todos os crentes. Acreditamos que a Bíblia apresenta uma mensagem de crucial importância para cada indivíduo em particular e para a sociedade em geral, no que diz respeito às suas necessidades, quer sejam espirituais, morais, éticas, culturais, sociais, políticas, etc.


Dos valores bíblicos decorre também a firme compreensão de que, observando a soberania de Deus, somos dotados de autoconsciência e é essa que nos impele a exercermos as nossas opções no quadro da sociedade em que estamos inseridos. É por isso que agendas político-partidárias podem até coincidir com valores bíblicos, como os da justiça, da liberdade, da solidariedade, da verdade, da paz e tantos outros. Alguns estão na base de regras fundamentais das democracias modernas pluripartidárias e de documentos fundacionais de sociedades justas, como é o caso da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que ainda recentemente celebrou 75 anos.


A sociedade só fica a ganhar quando os atores políticos seguem esses valores, o que está muito patente na intervenção de cristãos comprometidos dos últimos séculos, como o deputado britânico William Wilberforce, que no século XIX teve uma intervenção decisiva para a abolição da escravatura, o teólogo neerlandês que chegou a primeiro-ministro da sua nação no início do século XX, Abraham Kuyper, com uma visão muito progressista do papel social do Estado, ou do pastor evangélico Martin Luther King Jr., que na segunda metade do século XX encabeçou a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos da América.


No entanto, essa participação legítima não pode servir para a instrumentalização das comunidades e organizações de âmbito religioso e espiritual; muito menos deve ser usado o púlpito para a mobilização em torno de projetos político-partidários específicos. O sentido do voto ou de qualquer outra intervenção política não devem ser impostos ou coagidos na base de um qualquer interesse corporativo, ainda que disponível no quadro legal.


O desejo da AEP é que no próximo dia 10 de março as duas centenas de milhares de evangélicos em Portugal contribuam, na base do seu voto pessoal, livre esclarecido e transversal, para que a próxima legislatura possa ter entre si promotores dos valores cristãos que de forma digna defendam e atuem de acordo com os princípios bíblicos, designadamente que pratiquem a justiça, que sejam fiéis e leais e que obedeçam humildemente a Deus, tal como o profeta Miqueias exortou.

A Direção
20.02.2024

Fórum Evangélico 2024 UP’N’GO – Acordando o Gigante Adormecido

1080 1179 Aliança Evangélica Portuguesa

Tudo a postos para o nosso próximo Fórum Evangélico anual, a ter lugar no sábado 6 de abril no auditório da MCI – Missão Cristã Internacional, em Mem Martins / Sintra, com Workshops, Palestras, Louvor, EXPO (representação de várias organizações evangélicas), atividades para crianças e ainda Concertos. A entrada é livre, mas carece de inscrição aqui:

https://forms.gle/NstygbGYxULWMZYf7

Auditório da MCI – R. Santos Carvalho 20, 2725-079 Sintra 
Orador: Dan Randall – responsável pela rede da juventude da AE Europeia, Diretor da Hope Together Youth, pastor da Life Church Lancashire, líder europeu do NXTMove

Horário:

  • 10h Primeira Sessão
  • 12h45 Almoço
  • 15h Segunda Sessão
  • 16h30 WorkShops
  • 17h30 Painel + Q&A’s
  • 18h30 Jantar
  • 20h00 Concerto! comUpStreamQuest

Workshops:

– Evangelismo Digital (DJ – Departamento Juventude Convenção Baptista Portuguesa)

– Ferramenta de Maxwell “Além do Sucesso” (MPC – Mocidade para Cristo)

– Evangelismo Explosivo (Go Movement)

– Alianças e Parcerias (Shine + GBU)

Este ano organização da REDE +JOVEM (Ass. Juventude AEP)

Todos os evangélicos estão convocados!

UNIDOS PELO EVANGELHO EM PORTUGAL!

Nota de Pesar

789 874 Aliança Evangélica Portuguesa

Com 98 anos, faleceu na passada quinta-feira, dia 8 de fevereiro, a dr.ª Felícia Noémi Esperança, viúva do rev. Augusto Esperança, pastor presbiteriano, que foi presidente da Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) entre 1967 e 1972 e por quase três décadas o principal responsável da Sociedade Bíblica no nosso país. 

Felícia Esperança era neta por via materna de António Ferreira Fiandor, primeiro bispo ordenado da Igreja Lusitana, que por mais de 20 anos integrou a Direção da AEP e chegou a ser seu vice-presidente ainda na primeira metade do século XX. Na sua juventude, Felícia Esperança tornou-se uma das primeiras mulheres evangélicas a completar a sua licenciatura numa universidade portuguesa. Formada em Histórico-Filosóficas pela Universidade de Coimbra foi professora do Seminário Presbiteriano de Teologia, mais tarde Seminário Evangélico de Teologia, em Carcavelos. Teve ainda um papel crucial na coordenação da tradução da Bíblia em português corrente.

Os nossos sentimos à família e amigos.

“Preciosa é à vista do Senhor a morte dos Seus santos” Salmo 116:15

A Religião na Casa da Democracia e em Diálogo

2000 1500 Aliança Evangélica Portuguesa

O mês de dezembro ficou marcado pela celebração dos 75 anos da Declaração dos

Direitos Humanos e do Lançamento da Exposição “Os Caminhos da Liberdade Religiosa em Portugal” na Assembleia da República, a propósito dos mais de 20 anos da Liberdade Religiosa no nosso país. 

Festival Internacional de Cinema sobre a Migração

Primeiro, a Aliança Evangélica Portuguesa participou na abertura do Festival Internacional de cinema sobre migrações, organizada pelo  Kaiciid, Dialogue Centre, com a colaboração da UNRIC e da OIM. Esta iniciativa foi realizada também no âmbito da comemoração dos 75 anos da Declaração dos Direitos Humanos, e do Dia Internacional do Migrante.

Estiveram presentes representantes de várias confissões religiosas, associações que

trabalham com migrantes e representantes diplomáticos das embaixadas de diversos

países. O objetivo foi sensibilizar para o facto de que, com a crescente mobilidade no mundo, o

diálogo intercultural e interreligioso é necessário e indispensável. Não se trata de ecumenismo, mas de considerar, novamente (no sentido contrário ao que

as correntes do laicismo tendem a valorizar), que a fé tem um poder de integração e

pertença muito importante para as comunidades migrantes, que ninguém pode negar.

A AEP está grata por todas as Associações Evangélicas que têm contribuído para a integração,

valorização e dignidade dos cidadãos migrantes.

Exposição sobre Liberdade Religiosa na Assembleia da República

A AEP esteve também presente, na pessoa do seu Presidente, Dr. Timóteo Cavaco, no colóquio “As religiões como património da humanidade” na Assembleia da República, no dia 13 de

Dezembro, no mesmo momento em que se deu a  inauguração da exposição “Os caminhos da liberdade religiosa em Portugal”.

Congratulamo-nos com a opinião do Exmo. Senhor Presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, referindo que “retirar a religião do espaço público é um erro e uma demonstração de totalitarismo, pois as religiões têm funções essenciais à sociedade: integração social, socialização, proteção, educação.” Augusto Santos Silva disse ainda que “a religião é um poderosíssimo instrumento que nos ajuda a encontrar sentido no que fazemos” e que “aciência não esgota a verdade” sendo que a “religião pode interrogar a ciência”.

Estamos gratos a Deus pelos contributos que as comunidades evangélicas e os cristãos

evangélicos deram e ainda dão para a consolidação da Liberdade Religiosa em Portugal. 

A exposição é digna de ser vista e permanece no átrio do Parlamento, até 28 de Fevereiro,

onde pode ser visitada mediante marcação prévia pelo e-mail  HYPERLINK “mailto:dmc.correio@ar.parlamento.pt” dmc.correio@ar.parlamento.pt

Elsa Correia Pereira, Assessoria de Apoio aos Refugiados da AEP

Sara Narciso, Assessoria de Comunicação da AEP

SEMANA UNIVERSAL ORAÇÃO 2024

1024 768 Aliança Evangélica Portuguesa

Uma vez mais vamos começar o ano unidos em ORAÇÃO, com.a SEMANA UNIVERSAL DE ORAÇÃO que se realiza de 14 a 21 de Janeiro, desta vez sobre o tema “Avançando com a Grande Comissão”.

Descarregue aqui o GUIA DE ORAÇÃO :

Conheça aqui as datas e locais das Reuniões de Oração.

Deus ricamente abençoe e nos ajude a cumprir juntos a Grande Comissão!

“O Som da Liberdade”

808 1140 Aliança Evangélica Portuguesa

O Filme, que aborda a dura realidade do tráfico sexual de crianças, estreia a 21 de Dezembro nas salas de Cinema de todo o país. Para ver, refletir e agir!

Sinopse:

Inspirado na emocionante história real de um homem que tem como missão resgatar crianças dos lugares mais sombrios do mundo, este drama repleto de ação revela a brutal realidade do tráfico sexual e os esforços corajosos daqueles que trabalham incansavelmente para combatê-lo.

Veja aqui o Trailer:  https://youtu.be/QVae7Rm8KOo?si=EdLjli3uvZ7r9I7c

Estima-se que mais de 27 milhões de pessoas sejam vítimas de tráfico de seres humanos hoje (State Department Report 2023, USA). As crianças representam 22% do total do tráfico, sendo que, dentro deste grupo, 78% são raparigas. Mais de metade (64%) das crianças são usadas para exploração sexual, embora também sejam traficadas com outras finalidades: para exploração laboral, criminalidade e mendicidade forçadas, tráfico de drogas e casamentos forçados (UE, 18.10.2021).

A pobreza, baixa escolaridade, legislação inadequada, guerras e conflitos internos, aumento exponencial das migrações, entre outros, são fatores que potencializam esta terrível prática. 

Como cristãos, não podemos ficar indiferentes. A visualização do filme “Som da Liberdade” (Sound of Freedom) pode ser o início de uma conversa que proporcione momentos de sensibilização e consciencialização, tanto de jovens como de adultos, para o Tráfico de Seres Humanos.

Porque surge o Tráfico de Seres Humanos? O que o alimenta? Como poderemos reduzir ou eliminar a sua procura? Como estamos a preveni-lo ou a lutar contra este fenómeno? Como cristãos devemos ou não envolver-nos na prevenção e luta contra este flagelo? Estas são algumas das questões que poderão ser discutidas em pequeno grupo ou em painel consciencializando para esta realidade à qual não devemos fechar os olhos, mesmo que nos pareça aparentemente distante de nós. 

Que produtos compramos? Como são fabricados? Quem contratamos para as nossas empresas? Como tratamos os imigrantes que chegam ao nosso país? Que políticas de combate ao tráfico de seres humanos defendemos? Que missões internacionais apoiamos, neste caso, nos países mais vulneráveis? Quantas escolas e crianças já apoiamos? Quantos programas de prevenção junto de crianças e famílias, já dinamizamos? Estamos a proteger as nossas crianças online?

“Se puderes, salva os condenados à morte; ajuda os que são levados para o suplício; porque, se disseres que não sabias, Deus que tudo sabe, te julgará. Ele vigia-te e sabe; ele paga a cada um segundo as suas ações.” Provérbios 24:11

“Abre a tua boca a favor do mudo, pela causa de todos que são designados à destruição. Abre a tua boca; julga retamente; e faze justiça aos pobres e aos necessitados.” Provérbios 31:8-9

Acredito que estes são, mais do que Provérbios, ou frases bíblicas cheias de sabedoria, são ordens de Deus, como tantas outras que fielmente procuramos fazer cumprir.

“Mas examinem tudo: e assim guardem o que é bom” Tessalonicenses 5:21.

O que “é bom” do filme “The sound of Freedom” é o facto de ser baseado numa história verídica, despertando-nos para o sofrimento humano, e para o valor da vida humana, em todos os lugares, em todas as circunstâncias – cada pessoa foi criada para viver em liberdade, adorando o Criador.  

Disponibilizamos aqui um guião de reflexão sobre a temática do filme para pequenos grupos (Pode ser usado nas escolas na disciplina de EMRE e/ou na Igreja)

Elsa Correia Pereira

Socióloga e Responsável pela Assessoria de Apoio aos Refugiados da AEP

Opiniões de quem já viu o filme

“O Som da Liberdade traz a verdade, a luz sobre uma temática que não se gosta de falar. O tráfico infantil, a rede criminosa como nunca se viu. Uma criança é vendida 5 a 10 vezes por dia. E se fosse o seu filho? Assista a este poderoso filme, pelas crianças! Pelos nossos filhos…” 

(Ler mais em https://www.andrearamos.pt/filme-o-som-da-liberdade/)

Andrea Ramos, Escritora

“Por favor, veja este filme! Frase chave: os filhos de Deus não podem ser vendidos. Vamos trabalhar juntos para travar o tráfico humano!”

Connie Duarte, Aliança Evangélica Europeia e Ass. “Crescer com Amigos”

Sem dúvida, um filme que mexeu muito comigo (…) tenho orado por essa realidade tão cruel no nosso meio” 

Cristina Borba, GLAM (Ministério de Mulheres CCLX)

“Um filme que mostra a luta pela liberdade que todo cristão deve praticar, não só pela individual, mas por todos aqueles que são subjugados e aprisionados, pois foi para a liberdade que Cristo nos libertou.”

Danielle Ximenes, Professora Educação Moral e Religiosa Evangélica 

“É um filme extremamente comovente que nos sensibiliza para uma realidade difícil de encarar, mas que não deve ser ignorada. Como Sociedade Bíblia é importante pensar como nos podemos envolver, de forma a oferecer às vítimas de tráfico humano o conforto e a cura contidos nas palavras da Bíblia. E, como cristãos, pensar que a liberdade que alcançámos em Cristo deve resultar em ousadia e na motivação certa para nos mobilizarmos para ajudar a combater este flagelo, promovendo políticas que protejam os mais vulneráveis. Como disse Wilberforce quando lutava a favor da abolição da escravatura, “Uma fé privada que não age perante a opressão não é fé nenhuma.” 

Eunice Cunha e João Antunes, Sociedade Bíblica de Portugal

“Ao visionar este filme, vem-me à mente que na verdade a liberdade tem som, tem cor, tem cheiro, tem sabor! (…) A triste realidade de que há crianças neste momento a serem privadas da sua liberdade, a serem exploradas e a serem comercializadas, como se de bens materiais se tratasse, simplesmente porque há homens e mulheres a enriquecerem à custa do sofrimento de outros, é ultrajante, é repugnante, é triste e terrivelmente doloroso. De que forma posso fazer a diferença? Como posso contribuir para que este terrível flagelo seja minimizado? Recomendo a visualização do filme para que, assistindo, possamos alertar as autoridades para este flagelo crescente!”

Euridice Chaveiro, Assessoria de Mulheres da AEP e Ação Bíblica de Lisboa

“Um filme que nos coloca uma escolha entre a paralisia do medo e a coragem da liberdade. Tocante, comovente e totalmente desafiante!”

Joel Xavier Manuel, Pastor CCLX – Comunidade Cristã de Lisboa

“Para nós, assistir ao filme “Som da Liberdade” foi algo  que não vamos esquecer, como casal. A temática não é novidade, mas saber que existem pessoas que deram a sua vida, arriscaram tudo para salvar 1 criança, faz a diferença! Fizeram mudanças nas leis e no governo. E nós? O que podemos fazer? Fomos muito impactados e encorajados a fazer algo. Recomendamos que vejam este filme, vai de certeza mudar a vossa perspetiva.”

Lara e Henrique Prazeres, Comunidade Cristã de Lisboa 

“Som da Liberdade, não é entretenimento. É um “pedido de socorro” transformado em filme, que precisamos todos de escutar e fazer ecoar.”

Leonor Santos, Socióloga e Professora Educação Moral e Religiosa Evangélica

“Até onde ias e o que farias se fosse a tua filha? Um filme baseado em fatos reais que demonstra uma fé inabalável contra todas as probabilidades.”

Mark Mekelburg, Evangelista Criativo

“Som da Liberdade” é um filme inquietante, difícil e muito duro… que as nossas consciências não durmam um dia mais descansadas enquanto não formos a voz destes milhões de crianças escravizadas, tirando-os da escuridão daqueles quartos.”

Marta Carreira, Assessora Direção ABLA (Ass. Beneficência Luso-Alemã)

“É impossível ficarmos frios diante de uma denúncia como essa, sobre a realidade do tráfico humano, inda mais de crianças para a indústria da pedofilia. Uma obra que tem de nos levar a todos – sociedade civil, poder público e igrejas, à uma grande mobilização. Nós, da Rádio Transmundial apelamos a que todos nos levantemos e, cada qual na sua área de influência, lute contra essa perversidade”.

Ruben Pirola, Trans World Radio – Portugal

“Mais do que um filme, é um alerta para uma dura realidade de muitas crianças inocentes que precisam de nós para sermos a sua voz! Porque os filhos de Deus não estão à venda!”

Sara Narciso, Assessora de Comunicação AEP

“Um filme impactante que não deixa ninguém indiferente à crueldade que o ser humano pode fazer aos seus semelhantes” 

Tito Silva, Pastor Igreja Reviver

Dia Internacional de Oração pela Igreja Perseguida

722 906 Aliança Evangélica Portuguesa

Dia Internacional de Oração pela Igreja Perseguida

Em muitos países, os seguidores de Jesus não têm os direitos de liberdade religiosa garantidos; a conversão ao cristianismo é proibida devido a ameaças vindas do governo ou de grupos extremistas; os cristãos são, muitas vezes, forçados a deixar as suas casas e empregos por medo da violência; são agredidos fisicamente ou até mesmo mortos por causa da fé; são presos e interrogados, por diversas vezes, por se recusarem a negar a Jesus. A perseguição religiosa é também uma das principais causas dos pedidos de proteção internacional, ou seja, dos pedidos de estatuto de refugiado.

A organização Portas Abertas (Open Doors) é uma organização sem fins lucrativos (entre outras) que há mais de 60 anos oferece apoio material, auxílio, informação e assistência aos cristãos perseguidos e também divulga anualmente a Lista de 50 países onde os cristãos são mais perseguidos. Segundo esta organização, o mundo regista mais de 360 milhões de cristãos que enfrentam altos níveis de perseguição e discriminação por causa da sua fé.

A Aliança Evangélica Mundial convencionou que a comunidade evangélica internacional devia unir-se para orar pelos nosso irmãos perseguidos, no primeiro ou segundo domingos de novembro, que, este ano de 2023, serão dias 5 ou 12 de Novembro.

Neste link poderá encontrar recursos em português que o ajudarão e à sua igreja, a orar melhor pelos cristãos perseguidos. Recursos – IDOP

Hebreus 13:3

“Lembrem-se dos que estão na prisão, como se aprisionados com eles; dos que estão sendo maltratados, como se vocês mesmos estivessem sendo maltratados.”

error: Conteúdo Protegido!